in

A fundação do PT colombiano

Virou TT hoje no Twitter a aprovação do tal acordo com as FARC pelo Congresso da Colômbia. Trata-se daquela mesma bobagem, com algumas modificações, que foi rejeitada pela sociedade colombiana em consulta direta. O parlamento, de certo modo, bypassou a opinião pública. Na verdade, as FARC aceitaram, embora tardiamente, o conselho feito por Lula aos seus comandantes alguns anos atrás:

“Por que vocês não depõem as armas e disputam as eleições?”

Ou seja, por que vocês não agem com mais inteligência e viram uma espécie de PT colombiano para poder aplicar a estratégia neopopulista de usar as eleições contra a democracia?

Atenção! A proposta não era abandonar o crime, nem dissolver a organização criminosa e sim a de atuar por outras vias, mantendo – e até fortalecendo – a organização criminosa.

Eis que agora as FARC, aceitaram a diretriz lulopetista, com a ajuda providencial dos ditadores cubanos, aproveitando-se da pusilanimidade do governo de Juan Manuel Santos, louco por holofotes (contra a opinião pública colombiana, repita-se).

Fazer o quê? Só existem espertos como os neopopulistas porque existem tolos vaidosos como Santos (no Brasil ele provavelmente seria um tucano).

No plebiscito de outubro de 2016 o acordo proposto por Santos foi rejeitado pela maioria dos eleitores (sendo que a abstenção foi superior a 60%). Houve muita manipulação. Basta ver a formulação da pergunta pelo governo:

“Você apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?”

A cédula foi fabricada para dar a impressão de que votar NÃO ao acordo era o mesmo que recusar ou não querer a paz. Mesmo assim o tal pacto foi derrotado.

O pacto elaborado em Havana se materializou em um documento de 297 páginas contendo vários pontos que dividiram a opinião pública e os políticos colombianos.

Uma das partes mais questionadas do acordo foi a garantia dada ao partido político no qual as FARC se transformariam: eles receberiam cinco cadeiras no Senado e cinco na Câmara nos dois ciclos legislativos seguintes.

Outras objeções foram feitas à proposta de que os culpados de crimes de guerra ou contra a humanidade – tanto das FARC como das forças do Estado – não fossem presos.

Não dá!

Ainda precisamos examinar os termos do acordo “abençoado” pelo Congresso da Colômbia (que deu um passa-moleque na população). Mas se as FARC puderem continuar organizadas “pacificamente” (tolos!) e seus líderes puderem disputar eleições, a democracia na Colômbia vai ter sérios problemas pela frente. A Colômbia vai se defrontar com o seu próprio PT, legalizado e legitimado para usar, abusar e se aproveitar da democracia.


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

A transição incompleta

Cultura e democracia