bandeira-liberland

, ,

A tentação utópica

Esteve neste mês de outubro de 2016 no Brasil, para participar de um encontro sobre liberdade e democracia, o Vít Jedlicka, autonomeado presidente (ainda que se declare provisório) da Free Republic of Liberland, um país imaginário que pretende ser fundado em uma área territorial de 7 km quadrados, disputada entre a Sérvia e a Croácia. Vít quer fundar um país cuja forma de governo seja uma “república constitucional com elementos de democracia direta”. Para tanto, além de reivindicar a área, já escreveu uma Constituição (provisória) e um conjunto de leis (idem). Também já confeccionou uma bandeira e um brasão de armas (ups!).

liberland

A despeito das boas intenções de Vít e das milhares de pessoas que se empolgaram com a proposta é improvável que a iniciativa seja democrática (no sentido de fazer avançar o processo de democratização). Não é da natureza da democracia surgir em experimentos planejados. A democracia surge pela primeira vez, na Atenas no século 5 AEC, como um movimento de desconstituição de autocracia (a tirania dos psistrátidas). E é reinventada no século 17 da nossa era também como um movimento de desconstituição do poder absoluto de Carlos I. Sim, a democracia é uma invenção, mas é preciso entender que essa surpreendente invenção política é… social! Ela surge nas redes de conversações entre pessoas concretas que vivem em sociedades concretas e que desejam não ter mais um senhor.

É explicável que as pessoas que gostariam de viver com mais liberdade procurem gestar novas formas de democracia. Mas não é razoável imaginar que isso possa ser feito artificialmente, construindo um país sem história e, sobretudo, erigindo para tanto um Estado. A grande vantagem da pólis democrática ateniense é que ela não era uma cidade-Estado (como as demais da sua época) e sim uma koinonia (comunidade) política. E o grande problema da democracia reinventada pelos modernos – a democracia representativa que conhecemos – foi ter que conviver com uma estrutura desenhada para a guerra: o Estado-nação, surgido da paz de Westfália.

Mas a questão é: se não vamos para um novo país, para onde vamos? Como escapar da forma Estado-nação que se universalizou? Não há como escapar do Estado-nação, que vige em cerca de 200 países. Não há países sociais, apenas países estatais. Examinemos, antes de tentar responder essas questões, o estado da democracia no mundo atual (2015).

A democracia no mundo

Os relatórios da Freedom House (FH) e da Economist Intelligence Unit (EIU) sobre a democracia no mundo em 2015 são congruentes (ainda que os critérios adotados e o universo de países considerados pelos dois centros de pesquisa sejam diferentes).

1-a-democracia-no-mundo

Para a Freedom House, devem ser considerados livres, com o grau máximo de Direitos Políticos e Liberdades Civis (1 | 1) os seguintes países (em ordem alfabética):

Alemanha
Andorra
Austrália
Áustria
Bahamas
Barbados
Bélgica
Canadá
Cabo Verde
Chile
Costa Rica
Chipre
Dinamarca
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estados Unidos
Estônia
Finlândia
França
Holanda
Ilhas Marshall
Islândia
Irlanda
Itália
Japão
Kiribati
Liechtenstein
Lituânia
Luxemburgo
Malta
Micronésia
Nova Zelândia
Noruega
Palau
Polônia
Portugal
Reino Unido
República Checa
Saint Kitts and Nevis
Saint Lucia
São Vicente e Granada
San Marino
Suécia
Suiça
Tuvalu
Uruguai

Para a EIU, são democracias plenas (Full Democracies), considerando os indicadores adotados (Processo Eleitoral e Pluralismo, Funcionamento do Governo, Participação Política, Cultura Política e Liberdades Civis) os seguintes países (ordenados pelo overall score acima de 8):

Noruega
Islândia
Suécia
Nova Zelândia
Dinamarca
Suíça
Canadá
Finlândia
Austrália
Holanda
Luxemburgo
Irlanda
Alemanha
Áustria
Malta
Reino Unido
Espanha
Ilhas Maurício
Uruguai
Estados Unidos

Embora não se possa comparar rankings elaborados com critérios distintos, para efeitos demonstrativos um cruzamento dos países livres (FH) com as democracias plenas (EIU) e com as Flawed Democracies (com score acima de 7, também no relatório do EIU) geram a lista (até certo ponto aborrecidamente repetitiva) de países considerados “satisfatoriamente” democráticos (excluindo-se os países muito pequenos, como as ilhas e outros, com exceção de Malta e Chipre):

01. Alemanha ||
02. Austrália ||
03. Áustria ||
04. Bélgica |||
05. Cabo Verde |||
06. Canadá ||
07. Chile |||
08. Chipre |||
09. Costa Rica |||
10. Dinamarca ||
11. Eslováquia |||
12. Eslovênia |||
13. Espanha ||
14. Estados Unidos ||
15. Estônia |||
16. Finlândia ||
17. França |||
18. Holanda ||
19. Irlanda ||
20. Islândia ||
21. Itália |||
22. Japão |||
23. Lituânia |||
24. Luxemburgo ||
25. Malta ||
26. Noruega ||
27. Nova Zelândia ||
28. Polônia |||
29. Portugal |||
30. Reino Unido ||
31. República Checa |||
32. Suécia ||
33. Suíça ||
34. Uruguai ||

Na lista acima temos os países plenamente livres (FH), marcadas com duras barras verticais (||) as full democracies e com três barras verticais (|||) as flawed democracies (EIU) que se aproximam dos primeiros.

Sim, podemos dizer, em “cognição sumária” (hehehe, está na moda), que temos menos de 40 democracias (34) vigentes em Estados-nações que “deram certo”. A constatação mais óbvia é que menos da metade da população mundial vive sob regimes livres e apenas 8,9% em democracias plenas. Na outra ponta, 34,1 (EIU) a 36% (FH) da população mundial vivem sob regimes autoritários ou não-livres (o que pode chegar a 2.611.399.627 de pessoas ou talvez mais).

A FH considera 195, enquanto que o EIU apenas 167 países (Estados-nações), mas essa diferença só incide sobre os pequenos países que excluímos para efeitos da presente comparação demonstrativa.

Para classificar regimes políticos (sem contrabandos introduzidos por variáveis contaminadas por indicadores sócio-econômicos) deveríamos adotar outros critérios, baseados em indicadores propriamente políticos de Liberdade, Eletividade, Publicidade (ou Transparência), Rotatividade (ou Alternância), Legalidade e Institucionalidade. O resultado, porém, não seria muito diferente, presume-se (a não ser que o número de autocracias seria um pouco maior: em vez dos 51 not-free countries da FH e dos, coincidentes apenas numericamente, 51 authoritarian regimes do EIU, teremos 60 autocracias: ditaduras mesmo, além de, talvez, mais de uma dezena de países em transição autocratizante, como Equador, Bolívia, Nicarágua e outros):

01. Afeganistão
02. Angola
03. Arábia Saudita
04. Argélia
05. Azerbaidjão
06. Barein
07. Belarus
08. Brunei
09. Burkina Faso
10. Burma (Mianmar)
11. Camarões
12. Camboja
13. Cazaquistão
14. Chade
15. China
16. Comoros
17. Congo (Kinshasa | Brazzaville)
18. Coréia do Norte
19. Costa do Marfim
20. Cuba
21. Djibuti
22. Egito
23. Emirados Árabes Unidos
24. Eritreia
25. Etiópia
26. Fiji
27. Gabão
28. Gâmbia
29. Guine
30. Guiné Equatorial
31. Guiné-Bissau
32. Irã
33. Jordan
34. Kuwait
35. Laos
36. Líbia
37. Madagascar
38. Marrocos
39. Nigéria
40. Omã
41. Palestina (Faixa de Gaza sob controle do Hamas)
42. Qatar
43. República Centro Africana
44. República Democrática do Congo
45. Ruanda
46. Rússia
47. Síria
48. Somália
49. Suazilândia
50. Sudão
51. Sudão do Sul
52. Tajiquistão
53. Togo
54. Turcomenistão
55. Turquia
56. Uzbequistão
57. Venezuela
58. Vietnam
59. Yemen
60. Zimbábue

Parece evidente que nenhuma experiência democrática mais avançada – em termos da usinagem de novos modelos políticos – poderia ser feita nestes 60 países da lista acima. E nem mesmo nos países em transição autocratizante (ou protoditaduras) – partly free (FH) e hybrid regimesflawed democracies (EIU) – que se aproximam dos primeiros, como os países bolivarianos (Equador, Bolívia, Nicarágua, talvez El Salvador) e vários outros com índices insuficientes de democratização, sobretudo os países com Estados agigantados, como Brasil e Índia, ou países com cultura política estatista, fortemente influenciada pelo corporativismo ou que apresentem baixos níveis de capital social, como Argentina e Uruguai.

Estados intervencionistas se metem na vida dos cidadãos de tal modo que, na prática, acabam inviabilizando ou dificultando ensaios de novas formas mais democráticas de convivência social e de regulação política. Mesmo democracias quase plenas com forte presença do Estado (como a França) também não permitem a configuração de ambientes favoráveis à experimentação democrática inovadora. Além disso, até full democracies onde vigoram (ou vigoraram até recentemente) sistemas de proteção social (welfare states como Suécia, Dinamarca e Noruega ou democracias de “segunda leva”, como Canadá, Austrália e Nova Zelândia) também perturbam o campo social: ainda que isso seja avaliado como benéfico pelos indicadores que são correntemente adotados (como os da FH e da EIU), a gravitatem do Estado como tronco gerador de programas verticalizadores costuma ser muito forte (a rigor não são social-democracias e sim estatal-democracias, excessivamente zelosas de seus modelos para permitir inovações no campo propriamente político).

É claro que democratizar a democracia em autocracias é muito mais difícil (seria como instaurar do zero ou quase uma democracia). Mas talvez não se deva excluir, em princípio, as flaweds democracies e os hybrid regimes (na classificação do EIU), o que aumenta consideravelmente a lista dos 34 países (obtida pelo cruzamento dos rankings de FH e EIU e publicada acima). Assim, teríamos, além daqueles já citados (com exceção de alguns que não são comuns aos dois levantamentos e retirando os países que classificamos como ditaduras ou autocracias) as seguintes flaweds democracies (ordenados pelo score do EIU):

Israel
Índia
Eslovênia
África do Sul
Lituânia
Chipre
Grécia
Jamaica
Latvia
Eslováquia
Timor Leste
Panamá
Bulgária
Trindade e Tobago
Polônia
Indonésia
Argentina
Brasil
Croácia
Gana
Filipinas
Hungria
Suriname
Tunísia
Servia
Romênia
República Dominicana
El Salvador
Mongólia
Colômbia
Lesoto
Peru
México
Hong Kong
Malásia
Sri Lanka
Moldávia
Paraguai
Namíbia
Zâmbia
Singapura
Senegal
Guiana
Papua Nova Guiné
Macedônia
Montenegro

E, com alguma boa vontade, os seguintes hybrid regimes:

Guatemala
Albânia
Georgia
Equador
Honduras
Bolívia
Bangladesh
Benin
Ucrânia
Mali
Tanzânia
Malawi
Quirguistão
Quenia
Nicarágua
Uganda
Tailândia
Liberia
Butão
Líbano
Madagascar
Bosnia e Herzegovínia
Nepal
Moçambique
Serra Leoa
Paquistão
Cambodja
Iraque
Armênia

Se excluirmos estes dois grupos (pelas razões já expostas acima), restariam apenas pequenos países que são (quase todos) full democracies, como mostra o arquipélago no espaço-tempo dos fluxos representado no mapa abaixo (atenção: não é um mapa geográfico e sim uma representação, para efeitos meramente demonstrativos, de possíveis conexões – segundo um padrão de rede distribuída – entre países que estão distantes espacialmente):

ilhas-na-rede-dagobah

No mapa acima temos apenas os seguintes pequenos países, plenamente democráticos (segundo os critérios da FH e da EIU, quer dizer, da democracia representativa):

Andorra
Bahamas
Barbados
Cabo Verde
Chipre
Ilhas Marshall
Mauricio
Islândia
Kiribati
Liechtenstein
Luxemburgo
Malta
Micronésia
Palau
Santa Lúcia
São Vicente e Granadinas
São Marinho
Tuvalu

Se alguém quer tentar alguma experiência de “país social” mais democrático em um país estatal já existente, os exemplos acima podem ser mais promissores para a configuração de ambientes sociais favoráveis à geração de novos modelos.

Só que não

É tentador arrumar as malas e partir para um desses simpáticos países da última lista, sem dúvida. Todavia, há aqui um sério problema. A democracia não é um modelo de sociedade ideal. Mais democracia não corresponde a um modelo de sociedade mais ideal. A democracia só se realiza “dentro” de autocracias (ou como desconstituição de autocracia). Não é apenas que não haja para onde fugir. É que não se pode fugir. Fugir de resistir à autocracia é fugir da democracia.

A democracia é constituída por atos singulares e precários, imperfeitos, sujos e curvos, pelos quais resistimos à autocratização.  Tentar escapar da deplorável situação atual animando as pessoas com esperanças vãs em torno de qualquer causa que prometa novos céus e nova terra, não é assumir a democracia.  A democracia não é – nunca foi e nunca é demais repetir – um projeto de sociedade futura ideal: é o resultado dos pequenos gestos de desconstituição das dinâmicas autocráticas e dos seus correspondentes padrões de organização hierárquicos nas menores ações do instante presente.

De certo modo estamos diante da tentação de Platão ao fugir para Siracusa. Ou da tentação de todas as utopias. Todas as utopias são autoritárias. A democracia não é, como se acredita, uma utopia da política. É o oposto: a política é a utopia da democracia, pois o que a democracia quer é apenas que as pessoas com-vivam como seres políticos, autorregulando os seus conflitos.

É igualmente tentador inventar um país. O diabo é quando essa invenção é apenas uma reprodução da forma Estado-nação, como parece estar acontecendo com a proposta de Liberland. Porque não são as novas ideias, nem as novas leis, que determinarão um novo comportamento coletivo e sim o modo como as pessoas interagem (e regulam seus conflitos), que está, por sua vez, ligado por múltiplos laços de condicionamento recíproco com o padrão de organização que adotam. Não basta ter uma constituição libertária para ter uma comunidade cujo modo-de-vida seja libertário. Liberland lembra a triste história da Libéria, um país fundado e colonizado por escravos americanos libertos com a ajuda de uma organização privada no início dos anos 20 do século 19, que depois foi palco de ditaduras e guerra civil.

É inútil buscar  uma sociedade mais harmônica e um outro mundo melhor (simplesmente porque não há mais um — único — mundo em termos sociais). Isso significa que, do ponto de vista da democracia, também é inútil gerar um novo modelo a partir de qualquer usinagem planejada, baseada em alguma engenharia social. Isso é próprio das iniciativas autoritárias, como o fascismo (não é bom esquecer das ideias de Filippo Tommaso Marinetti, compradas, em parte, por Mussolini), o nazismo, o stalinismo, o maoismo e todos as iniciativas estatistas de transformar as pessoas em objetos que replicam padrões autocráticos.

Agora serão muitos mundos (no plural). Estamos nos aproximando rapidamente daquele cenário imaginado por Bruce Sterling (1989) no romance Islands in the NetEstamos vagando num grande oceano, ora aportando em uma ilha, ora evitando se acercar de outra, ora fugindo mesmo dos seus belicosos habitantes.

Sim, existirão ilhas na rede, mas não serão necessariamente as ilhas (stricto sensu) e os pequenos países da lista e da ilustração acima. Ademais, essas ilhas não serão fixas, algumas serão como bolhas e só poderemos ficar nelas durante um tempo, antes que espoquem.

As ilhas são clusters de pessoas: alguns serão democráticos e inovadores, outros conservadores, e outros, ainda, retrógrados, autocráticos, quando não perversos (ninhos de jihadistas, religiosos ou laicos, de esquerda ou de direita). Elas poderão ser configuradas nos mais diferentes lugares (ainda que seja mais difícil ensaiá-las – como um experimento – nas 60 ditaduras e nos países com graus insuficientes de democratização, o espírito democrático talvez possa se manifestar com mais vigor justamente nesses países).

Mas — eis a nova esperança: de Star Wars, sem war — ninguém (nenhum cluster) terá mais a hegemonia (sobre outros clusters) de suas visões (ainda bem), nem supremacia conquistada pela força, nem arrebanhamento pelo convencimento.

Não adiantará para nada debater: não é assim que a coisa funciona agora. Nos desculpem Joahannah (Arendt) e Jürgen (Habermas), mas John (Dewey) tinha razão. A formação democrática da vontade política terá mais como fonte originária a cooperação voluntária, com a convergência comunal de desejos pessoais para contender com um problema ou realizar um projeto, do que a liberdade individual de opinar protegida da interferência do Estado (segundo a visão liberal) ou do que o reino público constituído pela argumentação discursiva (segundo as visões do republicanismo político e do procedimentalismo democrático).

Com o aumento vertiginoso da interatividade, as pessoas se sintonizarão num glance, num blink. Ou não. Quando se sintonizarem, podem conseguir sinergias para serem carregadas juntas por um tempo pelo fluxo interativo da sua convivência social e podem conseguir reconfigurar seus ambientes e “é o ambiente que muda as pessoas, não a tecnologia”: obrigado Marshall (McLuhan).

É até possível que, assim, se produzam simbioses que deem origem a novas pessoalidades (e daí nasçam novos mundos-bebês).

Vamos ter que aprender a abrir mão de buscar qualquer consenso: ou aprendemos a trabalhar com ecologias de diferenças coligadas, ou as democracias imaginadas não vão se concretizar como o que devem ser: avanços no processo de democratização.

 

 

 

71 Comments

Leave a Reply
  1. Hi my friend! I wish to say that this post is awesome, nice written and come
    with almost all vital infos. I’d like to see extra posts like this .

  2. Il nuovo sito della Rai, ossia , è abbastanza fornito. Scarseggia un po’ nei documentari (come quelli degli Angela) e in “attualità” (come i programmi di Minoli o Lucarelli), ma tutto sommato è una teca discreta, a mio avviso. Bisogna scaricare il “Microsoft Silver Light” per la visualizzazione dei video.Per quel che riguarda la visione in diretta dei palinsesti dei canali minori c’è .

  3. I too am wondering how long before the conservatives realize that they were duped by 21st century neocons. There is no ligitimate conservatism coming from these goons. On a light note … DWT readers make every effort to buy goods from the small, independent stores and company’s. Also might wanna check out buyblue.org

  4. Hola soi alexis leonel y tengo 18 años , me encantaria participar en minuto para ganar con marley el programa mas divertido , si dios quiere tendré mi oportunidad poder jugar y poder ganar dinero .A la plata la invertiría en ponerme la peluqueria para mi futuro , Muchisimas Gracias =)

  5. Wouldn't it be great if the "closed off kitchen" concept took hold again? Thanks for pointing out the positive aspects for not having a ginormous "family room kitchen". I may be in the minority, but I love my little galley!

  6. marrygroeneveldPosted on 8 november 2011 at 22:33ik vind dit zo knap rinke dat je iedereen maakt niet uit wat ze hebben,toch zo onspannen kan krijgen,dat ze heel anders tegen de dingen gaan aan kijken.Hoe moeilijk ze het misschien ook hebben.Ik heb daar heel veel bewondering en respect voor.En dat meen ik uit de grond van m’n hart.

  7. Aline disse:Já compartilhei com vários amigos!! Realmente quando estamos achando que as coisas estão apertadas, difíceis, é bom ter exemplos como esse pra ver como só falta mesmo a nossa vontade!Lindo mesmo! Exemplos de vida!!Vc tb tem sido um maravilhoso exemplo!Obrigada pela inspiração! Tanto pelo seu trabalho como pelas histórias dessas pessoas incríveis que vc está dividindo com a gente!!

  8. ola, treino a mais ou menos 1 ano e estou fazendo 10 km em 44 minutos, mas evjo que tenho treinado muito em morro, treino em media 3 vezes semana em morro em torno de 6 km por treino, isso é cvonsiderado muito. meu foco sao as corridas de 10 km, porem estou com dificuldades em ajustar a distancia que deve ser percorrida em meus treinos, tipo quantos km devo treinar no plano e quantas vezes por semana, e quantos km devo fazer em subida e me refiro a subidas ingrimes com 1.500 metros initerrupitos. agradeço desde ja e aguardo resposta.

  9. Ich beantrage hiermit, dass du mir mal ne Unterweisung in den basics von Fotografie gibst! Im Vergleich stinken meine Fotos aus mehreren Gründen ab:1. gibts in Norman keine so schönen Motive.2. (und das ist der Hauptgrund) ist meine Kamera nicht für schöne Aufnahmen gemacht (= Billigding).3. hab ich das Gefühl, dass ich irgendwie nicht die richtige Perspektive habe, um schöne Bilder zu schießen, selbst wenn Punkt 1 und 2 passen würden.Also ja, ich kann nur immer wieder sagen: Grandiose Bilder!!!

  10. download cool app for ipod or droid called junowallet and earn free stuff like starbucks and xboxlive itunes? gift cards and alot more all you have to do is download the app and type in MK291273!!!!!? and get FREE stuff!!!!

  11. We held the third Chicago Food Swap last weekend at the Savory Spice Shop in Hinsdale and it was our biggest swap yet. Word is spreading about how fun it is to swap, and we actually had to have a wait list for this event. Some people drove over an hour to attend and went home happy, their cars filled with fun jams, baked goods, and even heirloom plants! I brought some homemade fudge sauce as well as individual challah loaves.

  12. Hejsan vännen! Tack för din omtanke och värmande ord hos mig! Kram :)Så mysigt det blev med slingan i buren..som en lampa!! En fin sådan1Kram kram Sanne

  13. Ich hätte das ja liebend gern aufgenommen. Wenn ihr mal das Datum korrekt angegeben hättet, nämlich Donnerstag um 0:40 Uhr.Jetzt wäre ich sehr an einem Download interessiert, da es bislang nicht in der Mediathek ist.

  14. Mabel,Habla directamente con el teléfono de atención al cliente de la firma Galderma. Tel: 902 02 75 95.Allí sabrán resolver todas tus dudas sobre sus propios productos.Un abrazo.Beatriz Peña

  15. If you usually do the roasting and grinding peanuts thing like Daphne here in the comments section then the peanut butter ‘trick’ is a time-saver. I buy Whole Earth brand I can get it no added sugar and salt, and just adjust the balance myself with a little brown sugar if needs be. Have a Happy New Year

  16. 36cf7My brother suggested I could possibly like this web site. He was completely proper. This submit truly produced my evening. You cann’t visualize quickly just how much time I had invested for this info! Thanks!bc

  17. I don’t remember Kotone-chan being too difficult to put together, apart from her jacket, which was a pain to get on and I took it off of her after taking pictures. I also seem to remember that it was difficult to get her lower body and torso put together so that there was no gap, but that might have been because I wasn’t willing to push the two parts together very hard.Let’s chill out on the specific ending spoilers in the comments section; some people who read this may not have seen the movie or the series yet.

  18. The holiday spirit brings several forms of celebrations, presents, decorations and stationery. Stationery suggests the letterheads and cards that are sent and exchanged in holiday spirit amongst family members and good friends. This stationery tends to make the holiday season feel more unique. The main purpose stationery of any form is exchanged or sent to any one is for correspondence or for sending wishes. As a substitute for sending plain stationery, the holiday spirit may be spread by sending personalized stationery designed for the holiday season.

  19. Jack — I think you’re missing the really important thing about Obama. He’s photogenic. The Left learned with Kennedy how important that is. He’s now mouthing vaguely conservative religious platitudes, with the media focused on his pretty face, while only people who really care bother to look behind the curtain and see what’s really going on.

  20. that if you guys need your money back, and even my status is still showing my application is in process , so what would i mean or what can I do?Even, my application issued on August 2005 however still i don’t get any refusal letter or any refund related letter, so I am wondering, I will really appreciate if somebody may help me out. thank you.

  21. This is below any scum, slime, POS, now words to say. And i know it happens likely in every country on Earth. Not just in Turkey.And it matters not if it ever happens to a child, or any other human, this of itself, is enough to make me sick, and enraged to kill whoever would ever do this to any animal. I hope I am the gatekeeper of hell the day this low trash arrives.Beyond unimaginable. No other animal on earth does this…only humans, lowest form of life.

  22. Calin,pe linia berilor de fermentatie inferioara, de tipul Pils, asa cum iti place tie, incearca un Jever Pilsner.Sau si mai bine un Kneitinger Edelpils, din Regensburg…Warsteiner o sa ti se para pishoarca acra dupa aceea…

  23. With havin so much content and articles do you ever run into any problems of plagorism or copyright infringement? My website has a lot of unique content I’ve either authored myself or outsourced but it seems a lot of it is popping it up all over the web without my authorization. Do you know any solutions to help prevent content from being stolen? I’d definitely appreciate it.

  24. Ok, by far my favorite part is dystopia being about the now!!! I love that idea. I'm a fan of dystopias because underneath I feel the same way. He also makes me rethink my reviews. I know it's just my opinion. I need to work more on the celebration part.Thanks for the interview. My students love Ness!brainlair AT gmail DOT com

  25. I suppose when one has no real talent or depth, one often resorts to cruelty and unkindness.Amanda, it is a pity that you allowed yourself to sink so low as to take the mickey out of someone to whom you owe a lot and who has never done any harm to you. Susan Boyle has depth, inner beauty and talent beyond measure.Sincerely oh very sincerely,Jean Mackenzie

  26. Hi guy, was just searching through the internet looking 4 some information and came 2 this page. I am impressed by the infos that you’ve on ya website. Shows how ya understand this subject. I’ve bookmarked ya, will come back for more information. You, my friend, Rock this Shit!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

Deixe seu comentário