in

As chances de nossa democracia ser afetada

Os analistas políticos, em sua imensa maioria, cederam ao wishful thinking. Preferem achar que Bolsonaro é apenas um boquirroto que não oferece grande perigo para a democracia, de vez que temos um Estado de direito em pleno vigor, com instituições fortes e consolidadas. Pode até ser. Mas não se pode fechar os olhos para o fato de que o bolsonarismo é uma força perigosa, muito agressiva, que expressa valores patriarcais: intolerantes, preconceituosos, avessos aos direitos humanos, hierárquicos e autocráticos.

Bernardo Mello Franco, no seu artigo em O Globo de hoje, chama a atenção para alguma coisa que as pessoas não estão querendo ver. O artigo termina assim:

“Há um esforço na praça para atenuar os riscos de um governo Bolsonaro. Suas repetidas ameaças à democracia, à imprensa e aos adversários seriam apenas arroubos retóricos. Podem ser — mas, como ensinou seu filho deputado, será preciso “pagar para ver”. No domingo, o capitão elevou o tom em discurso para apoiadores. Prometeu uma ampla “faxina” e anunciou tempos difíceis para quem ousar fazer oposição. “Ou vão para fora ou vão para a cadeia. Esses marginais vermelhos serão banidos de nossa pátria”, disse. “Será uma limpeza nunca vista”, acrescentou. O cheiro está no ar, mas há quem prefira tapar o nariz.”

Joel Pinheiro da Fonseca em seu artigo de hoje na Folha de São Paulo, revelou (sem citar) o olavismo inseminado no bolsonarismo:

“A campanha de Bolsonaro, tanto por seus meios oficiais quanto por agregados e apoiadores, fomenta uma atmosfera de fanatismo e paranoia. Em seu discurso, as instituições conspiram contra eles. As pesquisas mentem, as urnas estão fraudadas, a mídia é vendida e veicula fake news e a Justiça está em busca dos menores pretextos para condená-los. Todos estariam sob a influência do Foro de São Paulo a serviço do comunismo e, de forma mais ampla, do globalismo e do marxismo cultural. PT, petismo, comunismo, corrupção e crime viraram conceitos intercambiáveis, contra os quais não há mentira ou barbaridade que não seja tolerável”.

Assim como o PT sempre teve seu “Partido Interno” (marxista e neopopulista-bolivarianista), o bolsonarismo também tem o seu “Partido Ideológico Interno” (olavista, teonomista-militarista). Nossos analistas políticos leram o 1984 de Orwell, mas não viram o primeiro e parece que não verão o segundo.

O governo Bolsonaro não será ditatorial. Mas não se pode negar que o DNA do bolsonarismo é autocrático. É a mesma coisa com o PT. Durante 13 anos de reinado do PT não deixamos de ser uma democracia, mas o DNA do lulopetismo é autocrático.

É quase certo que a democracia no Brasil será afetada no próximo período, tanto pelo governo de Bolsonaro quanto pela oposição que lhe fará o PT. Não, o regime democrático não será abolido, porém a sua qualidade piorará sensivelmente. Teremos, ao que tudo indica, uma democracia mais defeituosa e de baixa intensidade.

Vejam abaixo alguns cálculos para os cenários futuros. As porcentagens são apenas figurativas (para dar força às expressões).

1 – As chances da justiça, provocada pelo PT e seus aliados, cassar a candidatura Bolsonaro ou anular a eleição são próximas de zero.

2 – As chances do governo Bolsonaro instalar uma ditadura militar ou civil ou um governo de cunho fascista no país são próximas de zero.

3 – As chances de um governo Haddad (agora praticamente nulas) instalar (no curto prazo) uma ditadura bolivariana (tipo Venezuela no Brasil) sempre foram próximas de zero.

4 – As chances da polarização Bolsonaro (no governo) x PT (hegemonizando a oposição) nos jogar numa guerra civil fria de longa duração são altíssimas (mais de 90%).

5 – As chances de que nossa democracia fique mais defeituosa (flawed) do que já é e i-liberal ou menos liberal (em termos políticos) são altas (mais de 80%).

6 – As chances do governo Bolsonaro (por baixo do pano, via militância bolsonarista) tratar quem lhe fizer oposição como comunista-corrupto ou corrupto-comunista (como diz a ideologia olavista) e, com isso, levar a um recrudescimento da guerra civil fria (que já estará plenamente instalada), são consideráveis (mais de 50%).

7 – As chances do governo Bolsonaro virar um governo bolsonarista (intolerante com a divergência) não são desprezíveis (mais de 30%).

8 – As chances de aparecer um movimento Fora Bolsonaro nos primeiros 500 dias do novo governo são altas (mais de 80%).

9 – As chances de ocorrer um impeachment do novo presidente são baixas (vistas desde agora, menos de 20%).

10 – As chances do governo Bolsonaro ser derrubado por um movimento de massas, por uma insurreição popular ou por uma guerra (quente) revolucionária são baixíssimas (menos de 5%).

Portanto, nada de menosprezar a ameça bolsonarista. Bolsonaro e sua famíglia – nossos novos senhores – são ameaças reais à democracia. Se isso não significa que nossa democracia será morta, é quase certo que será maltratada e sairá ferida (com que gravidade ainda vamos ver).


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

Pesquisa no ato “PT Nunca Mais” na Paulista em 21 de outubro de 2018

Declarações de não-voto para presidente no segundo turno