in

Bolsonaro não é o verdadeiro candidato

Você vai votar em Bolsonaro? Prepara-se para eleger um aiatolavo. O “filósofo da Virgínia” vai mandar e desmandar. Será como votar em Ahmadinejad sabendo que quem vai reinar é Ali Khamenei

É inacreditável a pretensão desse maluco – e perigoso malfeitor ideológico – chamado Olavo de Carvalho. Sim, ele é maluco mesmo, como já mostrei recentemente no artigo Que maluco do carvalho. Em pleno caos do lockout dos donos de empresas de transporte rodoviário (alguns bolsonaristas, como Dalçóquio), o cara teve a coragem de lançar a palavra de ordem “Todo poder aos caminhoneiros” e ainda acrescentou: “Imaginei que os caminhoneiros poderiam ser a (última) força coletiva capaz de guiar moralmente a sociedade”.

Agora, num ataque de pelanca (e cabotinismo), ele diz, no vídeo abaixo, com todas as palavras, que foi o (único) responsável por tudo de bom (para a direita) que está acontecendo no Brasil (deve ser por isso que estamos neste cenário de horror).

Olavo criou a falsa e delirante narrativa de que todos os candidatos – menos o Bolsonaro – fazem parte do Foro de São Paulo (articulação que ele só conhece de segunda mão, navegando na internet – e eu posso dizer porque estava presente na reunião de fundação), que todos são a mesma coisa e que, portanto, deve-se votar em Bolsonaro contra todos que estariam envolvidos com o crime (sim, ele diz isso).

E, de passagem, ainda desmerece Bolsonaro, afirmando – para bom entendedor – que ele, coitado, não tem nada na cabeça, mas cumpre um papel importante para quebrar a hegemonia cultural da esquerda e os estamentos burocráticos (os tais que fariam parte de uma conspiração criminosa contra o Brasil).

Bom… assistam os que tiverem coragem (não sem antes pegar um balde). No mínimo o leitor se deliciará ao assistir o maluco dizendo que tem QI 157, enquanto que seus colegas de viagem não passam de 80 a 90 (presume-se que, inclusive, Bolsonaro e Mourão). Mas não importa porque ele – o filósofo, o guia genial – estará lá para guiá-los.

Sim, o verdadeiro candidato não é Bolsonaro, mas Olavo (candidato a grande líder – e supremo ideólogo – do Império Galático: o real Sheev Palpatine).

Reproduzo abaixo o vídeo insano dessa figura asquerosa. Estou assobiando e andando se isso aumenta a audiência do sujeito. Para quem tem estômago forte é um excelente exercício de aprendizagem democrática (a partir do reconhecimento de padrões autocráticos). Afinal, aprender democracia é desaprender autocracia.

EXPURGOS JÁ SÃO ANUNCIADOS

É grave! Ele, Olavo, já está anunciando expurgos (fez até uma “lista negra”). Vejam o que ele postou na última sexta feira:

Pois é. Votar em Bolsonaro é votar nesse irresponsável para supremo guru do país. Acima do governo Bolsonaro, pairando no éter das imposturas filosóficas, teremos uma espécie de sharia (composta por suas narrativas delinquentes) e um aiatolá (quer dizer, aiatolavo). É uma ameaça real: não brinquem com isso. Será como votar em Ahmadinejad sabendo que quem vai reinar é Ali Khamenei.

Por isso devemos evitar a tolice de repetir que votar em Bolsonaro é o único jeito de impedir a volta do PT. O PT voltará – e mais forte – se Bolsonaro for eleito (haja vista que são muito reduzidas as chances de Bolsonaro fazer qualquer coisa que preste no governo, podendo até ter seu mandato interrompido em meio a uma crise política, econômica e social). Não tem partido, não tem base parlamentar e não tem o apoio das instituições do Estado e da sociedade. A menos que queira dar um golpe militar, coisa que a complexidade de um país como o Brasil não comporta mais e a comunidade internacional não aceita. Seria o isolamento completo do Brasil. Nem outro maluco, como Trump, avalizaria tal aventura.

Causa espanto que muitas pessoas repitam ainda a besteira de que vão votar num mal menor (Bolsonaro) para evitar o mal maior (que seria o PT). Ora, o PT é realmente um mal maior. Mas uma ameaça à democracia não pode ser combatida por outra ameaça (maior ou menor). Só mais democracia (não menos) pode evitar esses ataques contra a democracia gestados no seu interior.

Ah!, mas se o segundo turno for entre Haddad (ou Ciro) e Bolsonaro? Bom, neste caso, os democratas votaremos nulo e faremos o que nos caracteriza: resistiremos. Articularemos uma resistência democrática para enfrentar a onda de horror que se abaterá sobre o país, seja qual for dos dois o eleito. Qual é o problema? Porventura somos obrigados a escolher entre Daniel Ortega e Viktor Orban, ou entre Nicolás Maduro ou Recep Erdogan, ou – para levar ao extremo – entre Stalin e Hitler?

Não somos.


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

Como o antipetismo boçal ajuda o petismo

Manifesto da esquerda é uma manipulação da democracia