in

Cantanhêde expõe o erro do PSDB ao repetir que errou

Vale a pena ler o artigo de hoje (20/08/2017) de Eliane Cantanhêde, publicado no Estadão.

‘O PSDB errou’

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo, 20 Agosto 2017 | 05h00

A única coisa que restou da propaganda dos tucanos na TV, além da decisão de esconder seus líderes e do aprofundamento do racha interno, foi um bordão de campanha: “O PSDB errou, o PSDB errou, o PSDB errou”. Um prato feito para adversários, porque o efeito pode ser tudo, menos favorável ao partido. Parece coisa de gênio: do PT, do PC do B, do PSOL ou do Bolsonaro.

Apesar disso, há de se reconhecer que o PSDB errou muito mesmo – e continua errando. Errou, principalmente, quando se acovardou e acabou jogando seus maiores trunfos pela janela nas eleições presidenciais de 2006 e 2010, encampando o selo da “herança maldita” que o então presidente Lula carimbou nos anos benditos de Fernando Henrique Cardoso.

Errou, aliás, sempre que seus principais líderes passaram a rasteira uns nos outros. Inclusive quando, dizem as más línguas, corroboradas pelos fatos, o próprio Fernando Henrique lavou as mãos diante da candidatura de José Serra em 2002 e, até por omissão, contribuiu para a vitória de Lula. “É a vez dele”, diziam FH e seus assessores nos bastidores.

E o PSDB continuou errando todas as vezes em que Geraldo Alckmin e Aécio Neves trabalharam contra as candidaturas de Serra em 2002 e 2010 e quando Serra e Aécio deram de ombros para a candidatura de Alckmin em 2006. O único que não tem do que reclamar é Aécio que, em 2014, perdeu surpreendentemente em Minas, mas ganhou em São Paulo. Muito pela força de Alckmin.

Além de martelar que “o PSDB errou”, o presidente interino, Tasso Jereissati, criou o momento político mais dramático para Michel Temer entre a gravação de Joesley Batista e a derrubada da denúncia pela Câmara: presidindo o principal partido aliado ao governo, ele foi manchete de todos os jornais pregando a queda de Temer e a posse de Rodrigo Maia. Não era uma decisão do PSDB. Logo, foi um voluntarismo típico de coronéis nordestinos.

É assim que o PSDB caminha rachado para a eleição de 2018, imprevisível e amedrontadora para todo mundo, com um presidente afastado e cheio de problemas, um presidente interino que fala e age de acordo com a própria cachola e, como sempre, com dois candidatos disputando a mesma vaga: Alckmin e João Doria.

Segundo o instituto Paraná Pesquisa, com base em 2.802 questionários online, entre os dias 15 e 17, Doria está disparado na frente. Pergunta: “Entre Geraldo Alckmin e João Doria, quem seria o melhor candidato à Presidência da República em 2018?”. Respostas: 40,3% disseram Doria; 13,2%, Alckmin; 41,3%, nenhum deles; e 5,2% não souberam dizer.

A proporção se repete nos cortes de gênero e de idade, mas se amplia entre os que têm ensino superior e, imagina-se, maior grau de informação. Nesse estrato, 48,6% optaram por Doria e 13% por Alckmin, lembrando-se que o governador e ex-candidato é mais conhecido, enquanto Doria adentrou à política nacional há meses.

No corte por regiões, Alckmin fica numa estreita faixa, entre 12,1% no Sudeste e 14,6% no Norte e Centro-Oeste. Já Doria sofre grande oscilação: vai de 28,5% no Nordeste a 47,9% no Sudeste. Uma curiosidade, ou aviso, é o alto índice dos que responderam “nenhum”: 36,1% no Sudeste, casa de ambos; 37,9% no Sul; 45,2% no Norte e Centro-Oeste; e 49,5% no Nordeste, que é PT.

A pesquisa é importante para o PSDB (se ainda há apenas um PSDB), mas também para os cálculos políticos dos seus aliados naturais em 2018: PMDB, DEM, a maior parte do Centrão (PP, PR, PTB…), que estão farejando as chances de Alckmin e Doria e o movimento será na direção de quem estiver na frente. Alckmin é mais forte no PSDB, mas Doria está ganhando a disputa pelo eleitorado. E, seja um ou outro, vai sofrer com o verdadeiro, mas desastrado, “o PSDB errou”.


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

Não são as pessoas más, os bandidos, os criminosos comuns, os ladrões, os corruptos, que instauram ditaduras

Como a Lava Jato está matando a política e nos transformando em torcedores