in

Desvendando Vladimir Putin

Este artigo de Michael McFaul desvenda quem é o coronel KGB (atual FSB) Vladimir Putin. Ele também alerta para os perigos da aliança (explícita ou tácita) Trump-Putin. Observem que não é a primeira vez (com Trump) que o terrorismo islâmico é tomado como pretexto para autocratizar o regime democrático. Isso já foi feito por Erdogan e vários outros protoditadores, inclusive pelos que viraram ditadores de fato, como Putin. Não significa que o jihadismo ofensivo islâmico não seja um perigo. Significa apenas que os autocratas aproveitam o perigo (“Cuidado, o lobo está vindo”), para implementar suas estratégias antidemocráticas.

Michael McFaul is director of the Freeman Spogli Institute for International Studies and a Hoover fellow at Stanford University, and a contributing columnist to The Post. He was previously special assistant to President Barack Obama at the National Security Council from 2009 to 2012 and U.S. ambassador to Russia from 2012 to 2014. 

Segue o artigo no original, com links. Uma tradução livre de excertos está no final.

We can’t let Trump go down Putin’s path

February 6 at 12:30 PM
.
For reasons still mysterious to me, U.S. President Donald Trump continues to praise and defend Russian President Vladimir Putin. Just yesterday, in an interview with Bill O’Reilly on Fox, President Trump affirmed his respect for Putin. When O’Reilly challenged Trump by calling the Russian president a “killer,” Trump defended  Putin, whom he has never met, by criticizing the United States: “We’ve got a lot of killers. What do you think? Our country’s so innocent?”
.
A generous interpretation of this odd, unprecedented defense of Putin is that Trump is praising the Kremlin leader in order to cultivate better relations with Moscow. That is a naive, but tolerable, foreign policy. (U.S. foreign policymakers should pursue concrete national and economic interests, not “better relations,” but that discussion is for another day.) A more worrisome interpretation, however, is that Trump admires Putin’s policies and ideas, and may even seek to emulate his method of rule. That is unacceptable. Understanding Putin’s methods for consolidating autocracy in Russia might help us stop autocratic tendencies in the Trump era now, before it’s too late.
.

Like Trump, Putin had never run for elected office until he won Russia’s presidential election in March 2000. Few at the time in Russia or the world fully understood Putin’s political agenda. Given his political inexperience, weak support among elites and tenuous electoral mandate, most observers assumed initially that he could not change the basic nature of Russia’s political system, considered by most analysts at the time, including me, as a weak but functioning democracy. That early assessment proved incorrect.

When first elected president, Putin promised to make Russia great again. To do so, he pledged to end the economic collapse, political chaos and lawlessness — the “carnage,”  if you will — of the 1990s. He ran as a law-and-order candidate. In the fall of 1999, Russia experienced several terrorist attacks allegedly orchestrated by Chechens (though precisely who perpetrated these crimes remains a subject of dispute). Putin responded by promising a harsh crackdown on terrorism and restoring sovereignty over Russia’s borders. He then invaded Chechnya, and used brutal methods to end hostage standoffs with terrorists that resulted in the deaths of hundreds of civilians. In Moscow and other large Russian cities, security forces rounded up and deported Chechens and other Muslim-minority immigrants from Central Asia and the Caucasus who allegedly looked like Chechen terrorists.

Putin also moved quickly against another declared enemy of the state: the independent press. He chased Vladimir Gusinsky, the owner of Russia’s most important private television company, out of the country, and eventually seized control of his television network. Putin did the same to Boris Berezovsky, taking control of his television company as well. Further crackdowns on other pockets of independent media came later.

Putin accomplished these aims, and most of the others that followed, by means of presidential decree — the Russian equivalent of an executive order in the United States.

At the time, many government officials, business people, political elites and even some civil society activists warned against overreaction. Putin, they argued, needed to restore order. His defenders noted that he was implementing economic growth policies, including a 13 percent flat tax for individuals and drastically reduced corporate taxes. In exchange for these “market reforms,” Putin won support from the business world and its political allies. Liberal friends of mine inside the Russian government at the time argued that they had to stay where they were so that they could resist Putin’s autocratic ways. Sixteen years later, some in the Russian government still make this argument.

Even before Putin was elected, I wrote an essay for this newspaper that argued against accommodation and complacency. Published on March 3, 2000, the article started as follows: “Not since the August 1991 coup attempt has the future of Russian democracy been more uncertain than it is today. Ironically, at a time when Russian society has embraced individual liberties, a free press and competitive elections, the new leader of the Russian state, Acting President Vladimir Putin, has demonstrated real ambivalence toward democracy.” For worrying about the possibility of accelerating autocracy in Russia back then, I was denounced as an alarmist by many, not only in Russia but also by voices in the U.S. business community and even some in the Clinton administration.

Today, of course, we see clearly how Putin’s first modest antidemocratic steps ultimately led to autocracy. Whenever Putin faced challenges to his power or constraints on his personal rule, he chose to increase repression, not to moderate. He arrested business leaders who dared to try funding opposition parties, including, most dramatically, the richest man in Russia at the time, Mikhail Khodorkovsky. He used the powers of the state to limit real competition in national elections. He ended the direct election of governors.

And when tens of thousands of Russians took to the streets to protests against his regime in December 2011, Putin labeled them traitors and puppets of the United States, and then used a variety of means — disinformation, blackmail, and arrests based on bogus charges — to weaken and eliminate his opponents. One of the leaders of these protests, Boris Nemtsov, was later assassinated. Some remain in jail or under house arrest, while many others now live in exile. Just last week, liberal opposition leader Vladimir Kara-Murza was apparently poisoned for the second time in two years.

To counter the urban, educated, wealthy “creative class” protesting against him, Putin also mobilized his electoral base: the rural, poor, uneducated supporters who were the primary losers of Russia’s (partial) integration into the global market economy. Putin and his administration took deliberate actions to polarize Russian society, pitting citizens from big cities such as Moscow and St. Petersburg against “real” Russians in the rural heartland.

In retrospect, Russians who lament the consolidation of Putin’s autocracy all say they reacted too slowly at the beginning. They didn’t believe things could get so bad. They didn’t believe Putin would ever go as far as he did. Back in 2000, Putin had few allies within the state, and lukewarm support in society. He won his first election because of government support and weak opponents, not because of wild enthusiasm among voters for him or his ideas. Back then, important actors in Russia’s business class remained autonomous from the state, regional leaders also acted a check on Moscow’s power, independent media still existed and parliament still enjoyed some real power. Had these forces pushed back immediately against creeping authoritarianism, Russia’s political trajectory might have been different.

Sounds familiar? Trump also had never run for office before last year. He presented himself emphatically as a law-and-order candidate. He has promised to cut taxes, thus ensuring support from the business community. Like Putin in 2000, he has pledged “to make America great again.” Just as Putin ordered the Russian army into Chechnya, Trump has already threatened to send federal forces into Chicago. Just like Putin, Trump and his team have labeled as enemies protesters, journalists and members of allegedly “terrorist” nations. Trump’s recent Twitter screed against those opposing him — “Professional anarchists, thugs and paid protesters” — sounds eerily similar to Putin’s reaction to crowds mobilized against him in 2011-2012.

Like Putin, Trump’s weapon of action so far has been the executive order. Trump’s ideology — a populist conservative nationalism aimed against the liberal international order — hauntingly echoes Putinism. Moreover, Trump’s electoral base strikingly resembles Putin’s domestic base. While some in his new Cabinet have expressed different views, Trump himself continues to demonstrate tolerance of Putin’s autocratic ways at home, and indifference toward Putin’s antidemocratic and inhumane actions abroad, whether in Ukraine, Syria or the United States. When offered the chance to criticize Putin’s policies, Trump instead tries to establish moral equivalency between the United States and Russia. The parallels between the two leaders may help explain why they seem to admire each other so much.

Thankfully, this historic analogy is not precise. American democratic institutions — including Congress, the courts, the opposition party, state-level governments, the media and civil society — are much more robust today than similar Russian institutions were in 2000. And as demonstrated already in the Trump era, when millions across the nation protested against Trump in general and then, a few days later, thousands protested against his ill-advised migrant travel ban, American society is far more willing and capable to mobilize to defend democracy than Russian society was in 2000. Our executive branch is also filled with patriots committed to our Constitution, including some recent political appointees. And Trump’s autocratic proclivities today are not as obvious or well-defined as Putin’s were in 2000. (I realize some will find this last assessment naive and overly optimistic.)

Even so, certain lessons from the Russian experience remain relevant. First, small steps toward autocracy at the beginning of a new presidency can produce momentum toward bigger autocratic changes later. Second, we must beware of the dangers of acquiescence or indifference. We should not rely on the hope that initial dangerous acts will fizzle out, or that working from within will help to protect democracy. Let us not end up in the position of those Russian democrats, both inside and outside government, who later wished that they had stood up to Putin’s autocratic ways earlier, when it was easier and they had more power to do so. The moment to check such proclivities is now, while our democratic institutions are still resilient and our citizens are still ready to act.

.

TRADUÇÃO

Uma tradução livre de Yara Cintra (sem revisão):

NÃO PODEMOS PERMITIR QUE TRUMP SIGA OS PASSOS DE PUTIN

Por razões ainda misteriosas para mim, o presidente dos EUA, Donald Trump, continua a elogiar e defender o presidente russo, Vladimir Putin. Ainda ontem, numa entrevista com Bill O’Reilly na Fox, o presidente Trump afirmou o seu respeito por Putin. Quando O’Reilly provocou Trump ao chamar o presidente russo de “assassino”, Trump defendeu Putin, que ele nunca conheceu, criticando os Estados Unidos: “Temos muitos assassinos. O que você acha? Nosso país é tão inocente?”

Uma interpretação generosa desta defesa estranha e sem precedentes de Putin é que Trump está elogiando o líder do Kremlin, a fim de cultivar melhores relações com Moscou. Essa é uma política externa ingênua, mas tolerável. (Os estrategistas da política externa norte-americana devem buscar interesses nacionais e econômicos concretos, não “melhores relações”, mas essa discussão é para outro dia). Uma interpretação mais preocupante é que Trump admira as políticas e ideias de Putin e pode até tentar imitar seus métodos. Isso é inaceitável. Compreender os métodos de Putin para consolidar a autocracia na Rússia pode nos ajudar a interromper as tendências autocráticas da atual era Trump, antes que seja tarde demais.

Como Trump, Putin nunca havia concorrido para cargos eletivos até que ganhou a eleição presidencial da Rússia em março de 2000. Poucos na época, na Rússia ou no mundo, entenderam a agenda política de Putin. Dada a sua inexperiência política, o apoio fraco entre as elites e o mandato eleitoral tênue, a maioria dos observadores assumiu inicialmente que ele não poderia mudar a natureza básica do sistema político da Rússia, considerado pela maioria dos analistas na época, inclusive eu, como uma democracia fraca, mas funcional. Essa avaliação precoce se mostrou incorreta.

Quando primeiro eleito presidente, Putin prometeu tornar a Rússia grande novamente. Para fazer isso, ele prometeu acabar com o colapso econômico, caos político e a anarquia – a “carnificina”, se preferir – dos anos 90. Funcionou como um candidato da lei e ordem. No outono de 1999, a Rússia sofreu vários ataques terroristas supostamente orquestrados pelos chechenos (embora, o responsável por esses crimes continue sendo objeto de controvérsia). Putin respondeu prometendo uma dura repressão ao terrorismo e restaurando a soberania sobre as fronteiras da Rússia. Ele então invadiu a Chechênia e usou métodos brutais para acabar com a manutenção de reféns por terroristas que resultou na morte de centenas de civis. Em Moscou e em outras grandes cidades russas, as forças de segurança capturaram e deportaram os tchetchenos e outros imigrantes de minorias muçulmanas da Ásia Central e do Cáucaso que, supostamente, pareciam terroristas chechenos.

Putin também agiu rapidamente contra outro inimigo declarado do estado: a imprensa independente. Ele perseguiu Vladimir Gusinsky, proprietário da mais importante empresa privada de televisão russa fora do país e, eventualmente, tomou o controle de sua rede de televisão. Putin fez o mesmo com Boris Berezovsky, assumindo também o controle de sua empresa de televisão. Outras repressões em outros bolsos de mídia independente vieram mais tarde.

Putin cumpriu esses objetivos, e a maioria dos outros que se seguiram, por meio de decretos presidenciais – o equivalente russo de uma ordem executiva nos Estados Unidos.

Na época, muitos funcionários do governo, empresários, elites políticas e até mesmo alguns ativistas da sociedade civil criticaram uma reação que chamaram exagerada. Putin, eles argumentaram, precisava restaurar a ordem. Seus defensores observaram que ele estava implementando políticas de crescimento econômico, incluindo um imposto fixo de 13% para os indivíduos e uma redução drástica dos impostos corporativos. Em troca dessas “reformas de mercado”, Putin ganhou apoio do mundo dos negócios e seus aliados políticos. Meus amigos liberais dentro do governo russo da época argumentaram que eles tinham que ficar onde estavam para resistir aos modos autocráticos de Putin. Dezesseis anos depois, alguns no governo russo ainda fazem esse argumento.

Mesmo antes de Putin ser eleito, escrevi um ensaio para este jornal que argumentava contra a acomodação e complacência. Publicado em 3 de março de 2000, o artigo começou assim: “Nunca desde a tentativa de golpe de agosto de 1991 o futuro da democracia russa foi mais incerto do que é hoje. Ironicamente, num momento em que a sociedade russa abraçou liberdades individuais, uma imprensa livre e eleições competitivas, o novo líder do Estado russo, Vladimir Putin, demonstrou uma verdadeira ambivalência em relação à democracia.” Por me preocupar com a possibilidade de aceleração da autocracia Rússia naquela época, fui denunciado como um alarmista por muitos, não só na Rússia, mas também por vozes na comunidade empresarial dos EUA e até mesmo alguns na administração Clinton.

Hoje, vemos claramente como os primeiros passos antidemocráticos modestos de Putin levaram finalmente à autocracia. Sempre que Putin enfrentava desafios a seu poder ou restrições a seu governo pessoal, ele optou por aumentar não moderar a repressão. Ele prendeu líderes empresariais que ousaram tentar financiar partidos de oposição, incluindo, o mais dramático, o homem mais rico da Rússia na época, Mikhail Khodorkovsky. Ele usou os poderes do Estado para limitar a concorrência real nas eleições nacionais e acabou com a eleição direta de governadores.

E quando dezenas de milhares de russos saíram às ruas para protestos contra seu regime em dezembro de 2011, Putin os chamou de traidores e fantoches dos Estados Unidos e usou uma variedade de meios – desinformação, chantagem e prisões baseadas em acusações falsas – para enfraquecer e eliminar seus oponentes. Um dos líderes desses protestos, Boris Nemtsov, foi assassinado mais tarde. Alguns permanecem na cadeia ou sob prisão domiciliar, enquanto muitos outros vivem no exílio. Na semana passada mesmo, o líder da oposição liberal Vladimir Kara-Murza foi aparentemente envenenado pela segunda vez em dois anos.

Para combater a “classe criativa” urbana, rica e educada que protesta contra ele, Putin também mobilizou sua base eleitoral: os apoiantes rurais, pobres e sem educação que foram os principais perdedores da integração (parcial) da Rússia na economia de mercado global. Putin e seu governo tomaram ações deliberadas para polarizar a sociedade russa, colocando cidadãos de grandes cidades como Moscou e São Petersburgo contra russos “reais” no coração rural.

Em retrospectiva, os russos que lamentam a consolidação da autocracia de Putin dizem que reagiram muito devagar no início. Eles não acreditavam que as coisas pudessem ficar tão ruins. Eles não acreditavam que Putin fosse tão longe e pudesse fazer as coisas que fez. Em 2000, Putin tinha poucos aliados dentro do estado, e um apoio morno na sociedade. Ele ganhou sua primeira eleição por causa do apoio do governo e dos oponentes fracos, não por causa do entusiasmo selvagem entre eleitores para ele ou suas ideias. Naquela época, importantes atores da classe empresarial russa permaneceram autônomos do Estado, os líderes regionais também controlaram o poder de Moscou, a mídia independente ainda existia e o parlamento ainda gozava de algum poder real. Se essas forças tivessem retrocedido imediatamente contra o autoritarismo rastejante, a trajetória política da Rússia poderia ter sido diferente.

Soa familiar? Trump também nunca tinha concorrido ao cargo antes do ano passado. Apresentou-se enfaticamente como um candidato de lei e ordem. Prometeu cortar impostos, garantindo assim o apoio da comunidade empresarial. Assim como Putin ordenou o exército russo para a Chechênia, Trump já ameaçou enviar forças federais para Chicago. Assim como Putin, Trump e sua equipe rotularam como inimigos manifestantes, jornalistas e membros de supostas nações “terroristas”. Um Twitter recente de Trump contra os que se opõem a ele – “anarquistas profissionais, bandidos e manifestantes pagos” – soa assustadoramente semelhante à reação de Putin às multidões mobilizadas contra ele em 2011-2012.

Como Putin, a arma de ação de Trump até agora tem sido a ordem executiva. A ideologia de Trump – um nacionalismo populista conservador contra a ordem internacional liberal – assustadoramente lembra o Putinismo. Além disso, a base eleitoral de Trump assemelha-se impressionantemente à base doméstica de Putin. Enquanto alguns em seu novo gabinete expressaram opiniões diferentes, o próprio Trump continua demonstrando tolerância com os modos autocráticos de Putin em casa e indiferença com as ações antidemocráticas e desumanas de Putin no exterior, seja na Ucrânia, na Síria ou nos Estados Unidos. Quando se oferece a oportunidade de criticar as políticas de Putin, Trump tenta estabelecer uma equivalência moral entre os Estados Unidos e a Rússia. Os paralelos entre os dois líderes podem ajudar a explicar por que eles parecem se admirar tanto.

Felizmente, esta analogia histórica não é precisa. As instituições democráticas americanas – incluindo o Congresso, os tribunais, o partido da oposição, os governos estaduais, a mídia e a sociedade civil – são muito mais robustas hoje do que instituições russas semelhantes em 2000. E como já foi demonstrado, quando milhões protestaram de maneira geral contra Trump e poucos dias depois, milhares protestaram contra sua mal aconselhada proibição de viajar de imigrantes, a sociedade americana na era Trump é muito mais disposta e capaz de mobilizar para defender a democracia do que a sociedade russa em 2000. Nosso executivo é também cheio de patriotas comprometidos com a nossa Constituição, incluindo alguns políticos nomeados recentemente. E as intenções autocráticas de Trump hoje não são tão óbvias ou bem definidas como as de Putin em 2000. (Eu percebo que alguns acharão esta última avaliação ingênua e excessivamente otimista).

Mesmo assim, certas lições da experiência russa continuam sendo relevantes. Em primeiro lugar, pequenos passos em direção à autocracia no início de uma nova presidência podem produzir impulso em direção a mudanças autocráticas maiores mais tarde. Em segundo lugar, devemos ter cuidado com os perigos da aquiescência ou da indiferença. Não devemos confiar na esperança de que os atos perigosos iniciais desapareçam, ou que o trabalho interno ajudará a proteger a democracia. Não vamos acabar na posição dos democratas russos, dentro e fora do governo, que mais tarde desejaram ter enfrentado os modos autocráticos de Putin cedo, quando era mais fácil e tinham mais poder para fazê-lo. O momento de verificar tais tendências é agora, enquanto nossas instituições democráticas ainda são resistentes e nossos cidadãos ainda estão prontos para agir.


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

1984 de Orwell

A revolução dos bichos de Orwell

Back to Top