Tunel

,

Jornalistas que não cederam à patrulha do politicamente correto no caso Waack

Publiquei hoje cedo um artigo sobre William Waack, com minha visão sobre o caso. Antes já havia publicado, a partir do dia 9 de novembro, várias notas sobre o incidente no meu mural do Facebook. Agora reproduzo três artigos de analistas políticos que não caíram no conto do vigário do politicamente correto: o de Demétrio Magnoli, hoje, na Folha; o de J. R. Guzzo, na site da Veja (no último dia 9) e o de Reinaldo Azevedo, (também do dia 9) no seu blog. Ficam aqui arquivados como um registro histórico de que a racionalidade e a emocionalidade humanas não conseguiram ser mortas pela legião dos acusadores e linchadores.

Há outros que também se manifestaram, como Augusto Nunes. Mas o que assusta é que há uma turma que não abriu o bico. Além de seus colegas de emissora, submetidos à lei do silêncio, Waack não é atacado somente pelos petistas e pela esquerda. Também a direita olavista e bolsonarista o atacam. O autocrata religioso Olavo só faltou dizer “bem feito”, porque ele – William Waack – teria dito que Trump é racista. Para esse sujeito se alguém critica Trump, não serve. Ora, todos os democratas criticam: logo, os democratas não servimos. No fundo está certo: do contrário eles não seriam autocratas. Os bolsonaristas também atacam Waack porque ele não é… bolsonarista (afinal, para esses boçais, quem não apoia Bolsonaro é de esquerda). E assim vamos em marcha batida para um mundo irracional e sombrio, avesso ao espírito da liberdade e à tolerância humana, onde, ombro a ombro com os oportunistas, autocratas de esquerda e de direita ficam esperando oportunidades para apedrejar o outro (diante do silêncio dos que não querem sofrer as consequências de se manifestar). O apedrejamento, físico ou virtual, é sempre a expressão daquele medo que leva ao dark side of the force. Sim, o apedrejamento é um indicador de que algo muito tenebroso está vindo (ou pior, um sintoma de que o horror já está entre nós).

Felizmente há ainda alguma luz. Seguem os três artigos, na íntegra.

Waack é vítima da fome insaciável das redes que exige sacrifício de figuras

Demétrio Magnoli, Folha de São Paulo, 11/11/2017

Falando em público, Luís Roberto Barroso qualificou Joaquim Barbosa como “um negro de primeira linha”. Desculpou-se, depois, pela óbvia conotação preconceituosa do diagnóstico —e, felizmente, segue no mundo dos vivos.

William Waack proferiu, em comentário privado, o mais antigo dos abomináveis gracejos racistas. A frase veio a público e ele desculpou-se —mas corre o risco de ser arremessado ao mundo dos mortos.

O minotauro da lenda alimentava-se de jovens virgens. A fome insaciável das Redes Sociais, minotauro pós-moderno, exige o sacrifício ritual de figuras públicas.

Um clamor de indignação legítima nasce da janela que se abriu para um abismo interior de Waack. O jornalista admirado expeliu lixo. Somos todos, de alguma forma, lixeiras de séculos de violência, exclusão e preconceito. As pessoas decentes estão indignadas pois enxergaram, em lugar inesperado, um sedimento profundo da história humana: o metal pesado, contaminante, do nosso desamor. Mas, se decentes realmente são, os indignados devem resistir à sedução do linchamento, outro metal pesado da tabela periódica da nossa barbárie.

O detentor do vídeo incriminatório guardou-o durante um ano inteiro, como quem protege um tesouro, antes de propiciar sua divulgação, um gesto derivado do cálculo, não da exasperação. As valiosas imagens e sons podem ter servido à chantagem ou ao comércio, antes de se prestarem à “cruzada da virtude” que está em curso.

No labirinto das Redes Sociais, o clamor de indignação legítima dissolve-se numa onda avassaladora de condenação terminal fabricada pela “guerrilha da informação”. Waack precisa perecer pelo que diz e escreve em público: por suas opiniões políticas moderadas e suas matizadas interpretações históricas.

Troca-se a difícil tarefa de confrontar intelectualmente o “inimigo” por uma alternativa tão fácil quanto eficiente: suprimi-lo manipulando oportunisticamente o consenso civilizado de repúdio ao preconceito racial. Os hipócritas investem na decência dos decentes, em busca de uma finalidade indecente.

gracejo idiota de Waack deu-se na hora do triunfo eleitoral de Trump, um fanfarrão sem escrúpulos, grosseiro, malcriado e preconceituoso. A figura que crismou os imigrantes mexicanos como estupradores substituía Obama, um líder íntegro, sofisticado, capaz de oferecer lições inesquecíveis de empatia humana.

“Coisa de preto”, “coisa de branco”? A cor da pele nada tem a ver com isso, como Waack sabe perfeitamente. A frase emitida na esfera privada pode ser horrível (e é!), mas não equivale a uma sentença proferida na arena pública. Não se tem notícia de uma manifestação política racista ou um gesto de injúria racial do jornalista. Imolá-lo em cena aberta não nos limpa ou purifica — e só aplaca temporariamente a sede de sangue do minotauro virtual.

A URSS stalinista, a Alemanha nazista, a China maoísta, o Camboja de Pol Pot e a Cuba castrista estabeleceram o objetivo de criar o “homem novo”. Os sistemas totalitários almejavam retificar não apenas o comportamento, mas a mente dos indivíduos, moldando-a segundo suas normas ideológicas. A escola, a propaganda, a prisão, a tortura e o campo de trabalhos forçados eram os instrumentos da pedagogia social.

Por sorte, todas essas tentativas fracassaram. Homens (e mulheres) “velhos”, empapados de fraquezas e preconceitos, seguem constituindo as sociedades. São eles (nós) os alvos dos vigilantes das Redes Sociais, tão compreensivos com discursos políticos odientos, nem sempre severos com atos criminosos, mas implacáveis com desvios privados puramente verbais.

Já aprendemos algo com o triste episódio de Waack. Não precisamos condená-lo ao submundo, empobrecendo ainda mais nosso paupérrimo debate público, apenas para alimentar o minotauro.

Inimigo do povo

O afastamento do jornalista William Waack, acusado de ‘racismo’ pela Rede Globo, é um clássico em matéria de hipocrisia e oportunismo

J. R. Guzzo, Veja, 9 nov 2017

A maior parte dos meios de comunicação do Brasil, com a Rede Globo disparada na frente, está se transformando num serviço de polícia do pensamento livre. É repressão pura e simples. Ou você pensa, fala e age de acordo com a atual planilha de ideias em vigor na mídia ou, se não for assim, você está fora. Os chefes da repressão não podem mandar as pessoas para a cadeia, como o DOPS fazia antigamente com os subversivos, mas podem lhes tirar o emprego. É isso, precisamente, que o comando da Globo acaba de fazer com o jornalista William Waack, estrela dos noticiários da noite, afastado das suas funções por suspeita de racismo. Por suspeita , apenas – já que a própria emissora não garante que ele tenha mesmo feito as ofensas racistas de que é acusado, numa conversa particular ocorrida um ano atrás nos Estados Unidos. Mas, da mesma forma como se agia no Comitê de Salvação Pública da velha França, que mandava o sujeito para a guilhotina quando achava que ele era um inimigo do povo, uma acusação anônima vale tanto quanto a melhor das provas.

William não foi demitido do seu cargo por ser racista, pois ele não é racista. Em seus 21 anos de trabalho na Globo nunca disse uma palavra que pudesse ser ofensiva a qualquer raça. Também nunca escreveu nada parecido em nenhum dos veículos de imprensa em que trabalha há mais de 40 anos. Nunca fez um comentário racista em suas numerosas palestras. O público, em suma, jamais foi influenciado por absolutamente nada do que ele disse ou escreveu durante toda a sua carreira profissional. O que William pensa ou não pensa, na sua vida pessoal, não é da conta dos seus empregadores, ou dos colegas, ou dos artistas que assinam manifestos. O princípio é esse. Não há outro. Ponto final.

William Waack foi demitido por duas razões. A primeira é por ser competente – entre ele, de um lado, e seus chefes e colegas, de outro, há simplesmente um abismo. Isso, no bioma que prevalece hoje na Globo e na mídia em geral, é infração gravíssima. A segunda razão é que William nunca ficou de quatro diante da esquerda brasileira em geral e do PT em particular – é um cidadão que exerce o direito de pensar por conta própria e não obedece à atitude de manada que está na alma do pensamento “politicamente correto”, se é que se pode chamar a isso de “pensamento”. Somadas, essas duas razões formam um oceano de raiva, ressentimento e neurastenia.

A punição a William Waack tem tudo para se tornar um clássico em matéria de hipocrisia, oportunismo e conduta histérica. A Rede Globo,como se sabe, renunciou à sua história tempos atrás, apresentando – sem que ninguém lhe tivesse solicitado nada – um pedido público de desculpas por ter apoiado “a ditadura militar”. Esse manifesto, naturalmente, foi feito com o máximo de segurança. Só saiu vários anos depois da “ditadura militar” ter acabado e, sobretudo, depois da morte do seu fundador, que não estava mais presente para dizer se concordava ou não em pedir desculpas pelo que fez. A emissora, agora, acredita estar na vanguarda das lutas populares – não falta gente para garantir isso aos seus donos, dia e noite. William Waack, com certeza, só estava atrapalhando.

William Waack, o jornalista mais importante do país, não é racista! Os covardes se assanham

Não vou me sujeitar a uma ordem de coisas em que eu me veja proibido de dizer a verdade sobre um amigo quando o vejo ser esmagado pela mentira, pela covardia, pela inveja, pelo oportunismo, pela deslealdade, pela fraqueza de caráter, pela vigarice, pela ignorância

Reinaldo Azevedo, Blog do Reinaldo Azevedo na RedeTV, 09/11/2017

Um desses cretinos ressentidos escreveu por aí: “Vamos ver se alguém tem a coragem de defender William Waack”. Eu tenho. E o faço, antes de mais nada, por uma obrigação moral.

William é meu amigo. E eu sei, como sabem todos os que o conhecem, pessoal e profissionalmente, que ele não é racista. Não vou me sujeitar a uma ordem de coisas em que eu me veja proibido de dizer a verdade sobre um amigo quando o vejo ser esmagado pela mentira, pela covardia, pela inveja, pelo oportunismo, pela deslealdade, pela fraqueza de caráter, pela vigarice, pela ignorância.

E, ora vejam, o mesmo vale para os homens públicos que não são meus amigos.

Pretendo, diga-se, agir assim também na minha vida profissional. Sei o que apanhei dos petistas quando o partido buscava se constituir como força hegemônica, em sentido gramsciano mesmo, e muitos dos que agora o fustigam estavam de joelhos, em postura reverencial. Sei o que me custa hoje, adicionalmente, enfrentar a direita xucra, que não aceita que eu escreva, com todas as letras e sem subterfúgio ou linguagem indireta ou figurada, que Sérgio Moro condenou Lula sem provas. E que vai fazê-lo de novo. Como o fará o Tribunal Regional Federal da Quarta Região.

Ah, como apanhei quando comecei a apontar os desmandos de Rodrigo Janot, tratado como herói por idiotas, canalhas e oportunistas. E a quantidade fabulosa de porradas quando, no dia seguinte ao vazamento da gravação que não trazia o que se anunciava, apontei uma tramoia para derrubar o presidente Temer? Os fatos me dão razão.

Não devo satisfações a ninguém. Sou dono da minha vida e das minhas opiniões. Sim, a independência custa caro! Como custa a lealdade a princípios. Os trânsfugas costumam se dar bem. Os acólitos involuntários de Stálin, que exibem a cabeça dos próprios amigos para tentar ganhar a simpatia daqueles que os detestam, também prosperam.

Sei lá se a história se encarregará deles. Se tento me colocar em seu lugar, sinto náuseas. É repulsa física mesmo. Ainda que eu tivesse talento para ser um deles, não teria estômago.

Não há doença moral pior do que a covardia. Não há prazer mais doentio do que a deslealdade. Sem modéstia, digo: só sei ter coragem. Só sei ser leal.

O PT fechou uma revista que eu tinha. A Lava Jato me roubou dois empregos. Eu não lamento nada. Eu constato. E saí inteiro. Não vou aqui apelar à literatice e dizer que fiquei mais forte porque poderia dar a entender que o sofrimento é libertador. Não acho que seja. Mas conheço também, sim, a delícia, não só a dor, de dizer “não” e de andar na contramão quando acho que devo.

A acusação de “racismo”, que agora colhe Waack, já esbarrou em mim quando combati — e combato ainda — a política de cotas nas universidades. É claro que não sou racista. Como William não é. Não somos racistas. Nem covardes. Jornalistas são hoje, e cada vez mais, reféns de milicianos que atuam nas redes sociais. E os há para todos os credos, gostos e vieses ideológicos. Organizo a minha vida de modo a não depender da boa-vontade nem de estranhos nem de conhecidos.

O mais provável é que o tal vídeo tenha vazado de dentro da Globo. Há precisamente um ano, na madrugada de 8 de novembro (dia da eleição americana) para 9, William entrava ao vivo para anunciar a vitória de Donald Trump. Minha hipótese: alguém fez uma pesquisa no sistema interno. As imagens que chegam do sinal e ficam em arquivo antecedem a entrada no ar. Não se tem acesso apenas àquilo que chegou ao público, mas também aos momentos anteriores à transmissão. Como era aquela “a” entrada por excelência referente àquele fato, foi fatalmente vista. Não seria difícil estreitar o campo de possibilidades da safadeza e chegar ao responsável. Mas isso não é comigo. E duvido que William o quisesse. Mas saibam os que por lá permanecem: estão sob vigilância. Cuidado, o próximo pode ser você!

Brincadeira

Parto do princípio de que William falou o que dizem que falou — embora a coisa seja inaudível. Ele próprio faz o mesmo e, por isso, pediu desculpas aos que se sentiram ofendidos. Está longe de ser o amigo mais bem humorado de seus amigos, mas, à diferença do que escrevem os parvos, não manifestava irritação naquela hora. Se disse ser aquilo “coisa de preto”, ia no gracejo um dado referencial: um “outsider”, de direita, com rompantes de extrema-direita, acabara de vencer a eleição no confronto com a candidata de Barack Obama. Negros e imigrantes constituíram as duas forças mais militantemente organizadas contra Trump.

“Ah, mas a piada foi infeliz…” É estupefaciente que isso esteja em debate. Quantos dos que me leem ou dos que atacam William nas redes resistiriam à exposição pública de falas privadas? Se disse aquilo, não o fez para que fosse ao ar. Não era matéria de interesse público. Tratava-se de uma conversa privada. Ainda que a fala revelasse um juízo pessoal depreciativo sobre Obama, os “pretos” ou sei lá quem, o que importa é o seu trabalho, é o que diz no ar, é a sua contribuição ao debate civilizado.

Meio preto, um tanto alemão, um pouco árabe

Sabem como os amigos chamamos William? “Alemão”! Sim, “Alemão”. E vai nisso uma penca de brincadeiras cruzadas. Em primeiro lugar, Santo Deus!, ele não é exatamente um “branco”, não sei se perceberam. O homem é meio preto, meio árabe, meio misturado. O apelido remete ao fato de que estudou na Alemanha, mas também alude a seu temperamento, que todos consideramos um tanto, como direi?, germânico porque rigoroso, um pouco irascível às vezes, apegado a detalhes, mas que sempre fazem a diferença.

Escolham os três jornalistas mais brilhantes de sua geração. Ele está lá. Escolham os dez mais importantes do jornalismo brasileiro de todos os tempos. Estará entre eles. Não conheço ninguém no país que tenha sua cultura em matéria de relações internacionais e que domine bibliografia tão vasta na área. É do tipo que ainda se indigna. Já me ligou algumas vezes muito bravo por isso ou aquilo que escrevi — porque temos, sim, algumas divergências. E ele bate duro! Inteligente, brilhante, franco, leal e fraterno. Piloto, nunca conseguiu me arrastar para voar com ele. Duvido que exista um não-especialista que entenda tanto do assunto. Generoso, dá sempre a dica do livro que está lendo, diz por quê, pensa, faz pensar. Nesse caso, eu voo, hehe.

É um privilégio ser seu amigo. Privilegiada é a imprensa brasileira por tê-lo. Que outro, na nossa profissão, tem a sua experiência, o seu currículo, o seu rigor técnico, a sua cultura, a sua vivência de fatos que moldaram o mundo contemporâneo?

“Mas isso dá a ele, Reinaldo, o direito de ser racista?” A afirmação, forma de pergunta, é asquerosa. É um despropósito que um gracejo, por infeliz que seja, tenha de ser submetido a esse crivo, como se devesse a) ser levado a sério; b) em sendo, ser tomado como expressão do que pensa William, resumindo o seu trabalho.

Lúcia Boldrini, jornalista, consternada com a baixaria que colheu William, lembrou o que disse Martin Amis sobre o fundamentalismo religioso. Ele é especialmente nefasto porque não deixa o indivíduo só nem quando vai ao banheiro. Mesmo lá, há que se pensar nas regras. Hoje, há um fundamentalista em cada canto — de todos os gostos, de todos os credos. E, como ela resume, “no dia em que os esfoladores conseguirem acabar também com o nosso sarcasmo privado, só sobrarão eles, os esfoladores”.

A acusação de racismo que colhe William o ofende gravemente, mas também a seus amigos brancos, a seus amigos negros, a seus amigos árabes, a seus amigos judeus, a um grupo enorme de pessoas que sabem por que amá-lo, admirá-lo, respeitá-lo. Ainda que tivesse cometido um pecado, uma falha, uma transgressão — ele se desculpou sinceramente se assim foi interpretado —, o deslize, que não reconheço, não resumiria a sua vida. E explico por que não reconheço: eu me nego a submeter um gracejo expresso num ambiente privado a critérios com que se analisam questões públicas.

De resto, vejam a qualidade daqueles que o atacam. Estão pouco se importando com o que ele disse ou deixou de dizer. Vibram com o fato de estar afastado do “Jornal da Globo”; pedem, com uma sede de sangue que jamais se aplacará, a sua cabeça e secretam seu fel não contra aquilo que pode ter falado no episódio em questão: o que está sob escrutínio são suas opiniões políticas, é sua aversão à demagogia, é seu suposto — como é mesmo? — direitismo! Que piada! “Camaradas – Nos Arquivos de Moscou”, de sua autoria, concorre ao posto de o livro mais importante escrito sobre a esquerda brasileira. Com o rigor de um historiador, não com os faniquitos de um prosélito.

William Waack não é racista.

O que está em curso envergonha os decentes.

Vocês sabem que jamais escrevi aqui sobre essa amizade.

Nunca foi necessário.

Agora é.

E ele pode, como sempre pôde, contar comigo. Para o que der e vier. Menos voar naquelas coisas…


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário