Trump populista Face

, ,

O populismo de Trump vai nos levar para o passado

Trump surgiu na mais recente onda populista que começa a varrer o mundo nesta segunda década do século 21. Como escreveu Moisés Naím (2017), no seu excelente Manual do populismo:

“O populismo não é uma ideologia. É uma estratégia para alcançar e conservar o poder. Ele sempre existiu, mas nos últimos anos ressurgiu com uma força potencializada pela internet e pelas frustrações de sociedades angustiadas com as mudanças, a precariedade econômica e uma ameaçadora insegurança sobre o que o futuro lhes reserva. Uma das surpresas do populismo é como seus ingredientes são comuns apesar de os líderes que o praticam e os países onde se impõem serem muito diferentes. O populismo hoje reina na Rússia de Vladimir Putin e nos Estados Unidos de Donald Trump, na Turquia de Recep Tayyip Erdogan e na Hungria de Viktor Orban, entre muitos outros”.

Sim, muitos outros. Enrique Krauze (2006), no seu não menos excelente Os dez mandamentos do populismo, analisou a onda anterior da ascensão do neopopulismo latinoamericano, na primeira década deste século. Krauze escreveu sob o impacto do florescimento do chavismo. Mas talvez devêssemos caracterizar os diferentes bolivarianismos que surgiram na esteira do chavismo e foram, na verdade, urdiduras castristas, como neopopulismos (o lulopetismo, o kirchnerismo, o evoismo, o correismo, o orteguismo ou sandinismo reciclado et coetera). O neopulismo é um pouco diferente do populismo clássico, ainda que repaginado, examinado por Naím. Ele tem mais raízes ideológicas – fincadas no marxismo-leninismo e numa mistura grossa de maquiavelismo e gramscismo produzida nas universidades – do que o populismo de Trump, Putin, Erdogan e Orban.

Avaliamos, no início do ano passado, que o espaço para o neopopulismo estava se fechando na América Latina. Mas o artigo de Naím mostra que no cenário mundial atual ainda há muito espaço para o populismo clássico. De um ponto de vista estritamente político, esses comportamentos políticos (que chamamos de populismo e neopopulismo) são muito semelhantes: trata-se de uma estratégia para conquistar e reter o poder nas mãos de um líder ou de um grupo por tempo indeterminado. E ainda desse ponto de vista suas consequências são semelhantes: como disse Krauze, seu efeito inevitável é subverter a democracia.

Examinemos o populismo de Trump, para quem a democracia não é um valor.

Trump reiterou que “respeita” Vladimir Putin e convidou os que o qualificam de “assassino” a moderar essa opinião. Ele disse ainda que “é melhor se entender com a Rússia do que o contrário. E se a Rússia nos ajuda a combater o EI (grupo extremista Estado Islâmico) e o terrorismo islâmico ao redor do mundo, isso é uma coisa boa”. Quando questionado sobre os supostos vínculos de Putin com a morte extrajudicial de jornalistas e dissidentes, Trump convidou os americanos a um exame de consciência. “Há muitos assassinos, temos muitos assassinos. Você acha que o nosso país é tão inocente?”, disse Trump.

Ora, é claro que existem assassinos em todo lugar. Mas uma ditadura, comandada por um governo de assassinos da FSB (ex-KGB) – que usa a execução de opositores como método – é outra coisa. Uma democracia não pode compactuar com métodos despóticos, como os da autocracia russa, nem mesmo em nome do combate ao Estado Islâmico. O expansionismo russo, com suas tentativas de reeditar a guerra fria, fazendo o mundo retrogradar para a política de blocos dos anos 60, é tão perigoso para a democracia e para a paz mundial quanto o crescimento do jihadismo ofensivo islâmico.

O que muitos não entendem é que guerra fria não é paz: guerra fria é guerra, ou seja, um engendramento estatista que constrói e mantém inimigos como pretexto para reorganizar cosmos sociais sob padrões hierárquicos regidos por dinâmicas autocráticas. Na guerra fria, a democracia dança (talvez até mais rapidamente do que num conflito armado com uma ditadura)!

O jihadismo ofensivo islâmico é uma ameaça gravíssima, no médio e longo prazos. Mas o putinismo não é menos grave. São ameaças distintas, por certo. Tirando-se, porém, a região do Oriente Médio e um ou outro local isolado, o islamismo não ameaça, no curto prazo, as chamadas democracias ocidentais. Nem mesmo ameaça as grandes ditaduras orientais, como Rússia e China. Ações terroristas podem, sim, matar milhares de pessoas, mas não podem – no curto prazo – derrubar governos na maior parte do mundo e, muito menos, instalar regimes ditatoriais (a não ser os que forem instalados sob o pretexto da necessidade de se defender do islamismo: eis o perigo da aliança Trump-Putin e dos argumentos delinquentes que a sustentam).

Repetindo. O jihadismo ofensivo islâmico é uma ameaça real e perigosíssima, mas é uma ameaça de mais longo prazo do que o putinismo, que pode, de uma hora para outra, redividir o mundo em blocos. Se Putin conseguir aliados em um grande país europeu (como a França, com Le Pen, por exemplo) e retomar a Ucrânia, países adjacentes e ex-colônias da ex-URSS, além de ditaduras e protoditaduras no Oriente Médio (Síria, Irã), na África (vários) e na América Latina e no Caribe (Venezuela, Nicarágua, Bolívia, Equador, El Salvador, Cuba) – sob o olhar complacente, leniente e conivente dos USA de Trump – o mundo caminhará rapidamente para uma configuração de blocos.

Trump é um perigo. Sobretudo porque, para ele, a democracia não é um valor. Ele sonha com o mundo de 1984 de George OrwellAmerica First significa: “cada um cuide do seu”, enquanto nós – os grandes – vamos (pensa ele) botar ordem na casa (cada qual na sua casa, claro), impedindo, porém, qualquer aventureiro de entrar no condomínio dos dominantes.

No mundo imaginado por Trump, Oceânia (USA), Eurásia (Rússia) e Lestásia (China) vão se amar e se odiar num estado permanente de guerra fria, mas vão reorganizar o cenário internacional, transformando os demais atores em súditos dos megablocos de poder. Serão todos inimigos entre si, é claro, mas na base do equilíbrio competitivo, inimigos cuidadosamente mantidos, de vez que aliados tácitos contra qualquer emergência globalizante, contra a fragmentação que os transforme em pares dos demais (com destaque para as grandes democracias da América, como o Canadá; da Europa, como Reino Unido e Alemanha; da real Oceania, como a Austrália; e até da Asia, como o Japão).

1984 mapa

Sim, Trump é uma reação do mundo único contra o estilhaçamento provocado pela emergência de uma sociedade-em-rede, do localismo conservador e não-cosmopolita contra a globalização (que os trumpistas chamam de globalismo). Putin já topou a parada. Não fosse a China (que não está muito disposta a entrar nesse jogo, sobretudo porque acha que ele não é bom para os negócios) e as menos de 40 democracias (plenas ou aceitáveis – e é preciso ficar de olho na França: das grandes, o elo mais fraco neste momento) que resistem, o mundo retrogradaria em marcha-batida para os anos 60 do século 20. O populismo de Trump, se bem sucedido, vai nos levar para algum lugar do passado.

Qual é o problema? O problema é que seria um mundo com menos democracias e menos democrático. Os trumpistas não estão nem aí para isso. Entre a ordem (imposta top down) e a liberdade, eles não hesitam em ficar com a primeira. Os trumpistas só têm, na verdade, um problema: eles se deixam seduzir pelo populismo porque, tal como Trump, jamais se converteram à democracia.

 

 

 

972 Comments

Leave a Reply
  1. You made some really good points there. I checked on the web for more information about the issue and found most individuals will go along with your views on this web site.

  2. Hi Dao,I am so glad you got that brush. It’s life-changing isn’t it? And it’s a mere $14.99 to boot.Smart idea to put the brushes in a pretty vase. I might get a few in different, complementary colors. That would be really pretty. I only have a few lines of brushes – mostly MAC, some Billy B., and then random ones from different lines. Oh but I love ‘em all, they are my weakness.Good to hear you’re feeling better. I’ve got a bad headache right now so I’m going to get some rest.

  3. very good OBR. Now that you’ve nailed your colours to the mast with a bald prediction for 2020, will you be a good sport and concede that no further utterance is needed from you on this subject for at least the next 9 years? You can come back and say ‘I told you so’ in 2020.Deal?

  4. Hi Ross,I read Norms post and came to the conclusion, that's the good news. The bad news is we haven't a clue what the next governmant will find when they start going through the books. For the first time when they say " we didn't know the finances were this bad" I will believe them.

  5. denise c comentou em 18 de agosto de 2011 às 21:46. Julia, vc arrasou neste!!!, ta mto linda!, Julia, usar rimel diariamente estraga os cilios?, eles ficam mais ralos? Vc ja falou sobre o mavala lash, ele ajuda?, onde encontro p comprar?

  6. Que buenos son los de Zara que cuida el término medio. La decisión más acertada para fiebre de sábado noche. Moda de justo medio aristotélico para la walking class. Un faro para esta generación el tal Amancio. ¿Te da penita el trabajo infantil?. Eres lo que pagas, eso sí, una estética ideal y a poco precio.

  7. I wish you all the best in this endeavour.WordPress is an invaluable tool for so many project on the web nowadays, it is honestly difficult to imagine the web without it.I am pleased to see you laying down a solid foundation to allow future generations to benefit as we have been able to.

  8. Анонимный бугуртер / Вольнов ты педик долбаный.Встретил бы я тебя и по ебалу надавал бы суке.Про Азербайджан не пизди уебыш

  9. Ja, en ting er, at jeg har mange artikler liggende, det tager selvfølgelig noget tid, at få flyttet. En anden ting er alle mine registreringer i Google søgninger, som det vil tage nogen tid, at få opbygget. Men nu har jeg alligevel et par gange over de sidste par måneder, laver store ændringer på sitet, så gamle links ikke passer mere

  10. I went to the thirtyone gives web site but can’t find where they give to support abortions. Can someone point me in the right direction? I really want to know if this is true and accurate so I don’t support them.

  11. imam ne6to kato diskomfort otdolu,mislix 4e e ne6to ginekologi4no no se okaza 4e mai ne e,pri yrinirane se 4ystvam niakak stranno,ina4e niamam parene bolki no mi e diskomfortno i imam 4ystvoto 4e idva ot piko4nia kanla .kakvo moje da e tova,davax yrina za isledvane ni6to,davax i sterilna yrina i tam niama6e ni6to,i se 4ydia kakvo moje da e tova neznam pri kogo da otida za da razbera kakvo mi ima.

  12. Is there any innocent explanation for this denial? I’m not one of those Democrats who favors impeachment (as long as there’s a 22nd Amendment, why waste time inaugurating President Cheney for 1+ years), but do obstruction of justice statutes apply? Even if it doesn’t fit 18 USC 1501 et seq., isn’t it literally obstruction of Justice?[OK Comments:  I can’t think of a reason why this would be illegal.]Â

  13. Buenos días Marvin,Los horarios que iniciaremos en Portugués son:CursoIdioma Días Horario FechaRegularPortugués L 6:00-9:00 p.m. 06-FebRegularPortugués V 9:00-12:00 a.m. 10-FebRegularPortugués V 3:30-6:30 p.m. 24-FebRegularPortugués SAB 2:00-5:00 p.m. 04-FebIntensivoPortugués K-J 6:00-9:00 p.m. 07-FebCualquier inquietud no dude en ponerse en contacto.

  14. I don’t know whether you’re interested in more examples of the type of weapon at the very top of this page, but the arsenal in Graz, Austria, the Steierische Landeszeughaus, has a number of them in its collection. They also still sell a book, AFAIK discounted to 1 euro, that illustrates a wide variety of swords and spears in their collection, including some of that dussack/cutlass/heavy infantry saber configuration.

  15. D. « (…) Très en colère, les intermittents de la CGT-Spectacle et de la Coordination ont occupé, mardi 29 décembre au soir, l’Opéra-Comique, à Paris, conduisant à l’annulation de la représentation de La Veuve joyeuse, de Franz Lehar. Le théâtre a été évacué mercredi dans la matinée.(…) »Martine, Olivier, ce genre de bug est-il censé vous échoir ?OK, nous nous en occupons

  16. What is this anti-American crap? You think we should go back to being in the British Empire? We’re the greatest country in the world! Other nations should be in OUR Empire. We should have never rebelled? Look at England now, you want us to be like that? The American People (and by this i mean descendants of immigrants before the Irish, Italians, and other muds) are the greatest, most intelligent, most warlike people in the world. Only a half Jew elite could say such American hating nonsense as you do.

  17. Enku antha manavanai mattum kutram solla mudiyathu? Avan than karuthai ,virupathai solli ullan.avalavuthan.uyrimai patri pesum evvaru thalaipitu antha elainanai kurai solvathen…entraiya mediya elainai pen pethanagam,pothai adimaiyagayum matri varu kiratha… Vaimudi athai parkum entha samugam varum kalathil than pillaigal siralivathai kandu vaivittu alathan mudiyum?!

  18. 6d4eEu concordo em gênero, número e grau com você.Tenho o meu blog a pouco mais de 3 meses e até que está fazendo sucesso! Mas nada comparado com quem tem ha anos né, claro.E sim, aparece sempre uma fofoquinha ali, uma crítica daqui. Coisas altamente desnecessarias.Por enquanto eu ainda não ligo, mas vamos ver até quando né!