in ,

Sobre essa fissura com armas

Depois comento mais alguma coisa sobre essa súbita tara com armas, armas, armas…

Já tratei do assunto em dois posts:

1) Armas e autocracia

2) Sobre o besteirol do armamentismo popular

Algures se dirá que sem sexo, sem Freud, não se explica (pelo menos depois do Viagra, a compulsão deveria ter arrefecido).

Mas eu digo: há um liame entre armas e autocracia. Não quando uma ferramenta é usada eventualmente como arma – e só transformada em arma pela emoção de quem a usa, como percebeu Maturana -, mas quando o artefato é planejado e produzido para mutilar e matar.

Artefatos desse tipo são vendidos no Brasil pelas Forjas Taurus, pela Companhia Brasileira de Cartuchos, pela Amadeo Rossi, pela E. R. Amantino – que, penhoradamente, agradecem o inestimável apoio comercial da chamada “nova direita” armamentista.

Bolsonaro quer distribuir armas para o povo para aumentar a segurança pública. E quer dar armas para as mulheres para evitar a violência doméstica dos maridos. Trump quer armar os professores para evitar as chacinas em escolas feitas por alunos armados. Para a mente simplória e autoritária tudo parece fazer sentido: por que só os maus podem ter armas?

Algumas perguntas para os armamentistas:

Devemos comprar esses agora tão almejados artefatos letais em uma dessas empresas? Ou vamos comprar tudo mesmo no mercado ilegal (via PCC ou Hezbollah)?

Os armamentistas propõem que possamos comprar armas de quem já fabrica (a “bancada da bala” adoraria)? Ou defendem também que possamos fabricá-las para nosso próprio uso, dos nossos familiares e amigos? Por que não?

Eles almejam que possamos ter armas de uso pessoal e doméstico (revólveres, pistolas e espingardas ou carabinas) ou também fuzis, metralhadoras, bazucas e granadas? Por que tal restrição se os narcotráficantes que ameaçam nossas vidas usam essas armas de assalto?

E por que somente armas de fogo? Por que não também armas elétricas, óticas, químicas e biológicas (claro que sempre apenas para fins de “defesa”)?

O mundo com que esse pessoal sonha ficará ou não ficará parecido com Vulcan (Virgínia) na distopia da série American Gods (2017) baseada no livro de Neil Gaiman (2001)?

Assista o vídeo de menos de 3 minutos.


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário é um programa de introdução à democracia chamado SEM DOUTRINA. Para saber mais clique aqui

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário

The historical turn in democratization studies

A democracia precisa ser defendida?