Dugin

,

The Most Dangerous Philosopher in the World

by PAUL RATNER, BigThink, December 18, 2016

The revelations about Russian involvement in the hacking of the Democratic Party officials, intending to vault Trump over Clinton, have added more fuel to an already-explosive and exhausting election cycle. Why would Russia do this, especially as it’s been revealed that Russian President Vladimir Putin was likely personally directing the operation? Enter Alexander Dugin, the political scientist known as “Putin’s Rasputin” or “Putin’s Brain”, as well as an occult fascist. He is also a sociology professor at the highly prestigious Moscow State University, a prolific writer, an advisor to key political and military figures and an articulator of a Kremlin-approved nationalist philosophy.

He has also been on the U.S. sanctions list following Russia’s takeover of Crimea for advocating the murder of Ukrainians, among other things.

It’s not that Dugin is personally responsible for the hacks that are currently being explained as Putin’s personal vendetta against Clinton. But Dugin’s influential philosophy aligns very well with what seems to have happened and provides a stunning window into this and future conflicts with Russia. There are likely much deeper motives behind Russian actions.

Alexander Dugin is at once a sociologist, historian and a philosopher. You can find many of his lectures online on Youtube, although it would help to know Russian. He himself speaks ten languages. Among his many controversial opinions, he has expressed deeply anti-scientific views, calling for the ban of chemistry and physics. He would also get rid of the Internet, an anti-technological view that actually stems from his his desire to ultimately upend the world as we know it.

Dugin

Credit: Dugin.ru

What he proposes is that there have been three leading political theories that impacted the world in the relatively recent past – liberal capitalism or “liberalism”, communism and fascism. According to Dugin, the United States is the world’s leader of liberalism, which offers individual liberty, a rationalist approach and market competition.

Even though liberalism has been the winning ideology so far, triumphing over fascism in 1945, and communism in 1991 (when the Soviet Union dissolved), Dugin thinks that it is now also experiencing a fatal crisis. He believes liberals themselves would the first to claim that. Dugin regards liberalism nearing a dead end, mired currently in a “nihilistic post-modern stage” because it is trying to liberate itself from rational thought and the oppression of the brain, which to a liberal is “something fascist in itself”. Dugin takes this a step further, describing liberalism as now trying to free the organs of the body from the brain’s control, alluding to its acceptance of the LGBT community.

Here’s how he explains this rationale:

“The liberalism insists on the freedom and liberation from any form of collective identity. That is the very essence of the liberalism. The liberals have liberated the human being from national identity, religious identity and so on. The last kind of collective identity is gender. So there is time to abolish it making it arbitrary and optional.”

What Dugin proposes instead of what he sees as three dead and dying ideologies is his “Fourth Political Theory”. It would create an entirely alternative political model, set against “progress” of world history as is. It would not be based on the issues of individualism, race or nationalism. He sees this theory to be partially based on the work of the existential German philosopher Martin Heidegger, controversial for his association with Nazism. His philosophy calls for a root of a human being’s self-awareness (called dasein by Heidegger) to be saved in the world, as it has been diluted in the modern space by essentially dehumanizing technology.

Since this root of being differs from person to person and from culture to culture, the world should feature a multipolar power division, instead of one superpower in the United States. Finding a way to implement such a new way of looking at the world would, per Dugin, return a sense of identity to humans who have been losing it all around the world.

Dugin contrasts this theory of a multipolar world with what he (and conspiracy theorists worldwide) see as the movement towards creating a “world government,” led by disingenuous “globalist elites” who are out to deprive people of a sense of identity and to subjugate them to their corporate needs.

In this world of a number of regional superpowers, what role would Russia play? Dugin sees Russia to be the leading nation in the Eurasian Union and has founded the International Eurasia Movement to make that happen.

What is Eurasia? Basically, it’s the territory of the former Soviet Union. Dugin thinks the Soviet Union just took over the boundaries of a historical union of people and ethnicities that was there from the Russian Empire. As Russia is a country of a unique culture and destiny, it is its mission to create a center of power that has elements of both Europe and Asia, the two continents straddled by the expansive country.

“The West knows little or nothing at all about the real history of Russia. Sometime they think that the Soviet Union was purely a communist creation and the States as Ukraine, Kazakhstan or Azerbaidjan were independent before the USSR and conquered by Bolsheviks or forced into Soviet State,” says Dugin. “The fact is they never existed as such and represented but administrative districts without any political or historical meaning inside Russian Empire as well as inside USSR. These countries were created in their present borders artificially only after the collapse of USSR and as the result of such collapse.”

So the goal of establishing the Eurasian Union would be essentially to right a historical wrong and bring back a successful empire that existed even before the Soviet Union. Russia’s recent takeover of Crimea and further designs on Ukraine seem to be a logical part of such a plan.

Dugin digs even deeper into his very controversial historical analysis, claiming Eurasia’s current opponent is not just the United States, but Atlanticism, the axis of cooperation between Europe, US and Canada that crosses the Atlantic Ocean. These maritime, liberal nations value individuality and market forces.

Eurasia, on the other hand, represents the conservative philosophy of land-locked continentalism, which according to Eurasians, has among its values a hierarchical structure, law and order, traditionalism and religion.

Thus we have Atlantis vs Eurasia. In fact, Dugin claims all history can be viewed as a battle between maritime and land-based nations.

What does Dugin think about Trump’s victory? He has been quite enthusiastic about Trump throughout the whole election process, to say the least, describing him this way to point out why Trump is a “sensation” that can stand up to globalist elites:

“[Donald Trump] is tough, rough, says what he thinks, rude, emotional and, apparently, candid. The fact that he is a billionaire doesn’t matter. He is different. He is an extremely successful ordinary American…”

Trump

Dugin thinks Trump’s victory is a monumental strike against the “globalists”, whose candidate was Hillary Clinton – the same language that you can easily find peppering conservative American websites like Breitbart News, Drudge Report and conspiracy king Alex Jones (a particular favorite of Dugin’s). He thinks Trump’s victory was a kind of “revolution” started by American people and should lead to worldwide defeats of the globalist agenda, draining the proverbial “swamp” the world over.

Dugin doesn’t stop there, however. His visions of what Trump’s victory means go into the apocalyptic and civilization-changing:

“We need to return to the Being, to the Logos, to the foundamental- ontology (of Heidegger), to the Sacred, to the New Middle Ages – and thus to the Empire, religion, and the institutions of traditional society (hierarchy, cult, domination of spirit over matter and so on). All content of Modernity – is Satanism and degeneration. Nothing is worth, everything is to be cleansed off. The Modernity is absolutely wrong — science, values, philosophy, art, society, modes, patterns, “truths”, understanding of Being, time and space. All is dead with Modernity. So it should end. We are going to end it.”

This certainly would not be the first time in recent history a Russian thought that everything is wrong and the world needs to be completely uprooted. We know how that turned out. And the occult-sounding elements of some of what Dugin is saying, along with his beard, perhaps earn the comparison to Rasputin. But does Dugin believe concrete measures should be taken to bring about his vision of the world?

Interestingly, prior to Trump’s victory, influential American conservative outlets like the National Review were warning about Russian intentions, specifically singling out the threat Dugin’s ideology posed, calling Eurasianism “a satanic cult”. Now that Trump won and Russia was implicated in election meddling, they are not so keen to bring that up.

Does Putin really listen to Dugin? Scholars and commentators say his ideas are taken seriously by people in Putin’s circle and their growing popularity matches up with Putin’s evolving authoritarianism and actions. Notably, Dugin came out in 2008 in support of Russian troops taking over Georgia and very much fanned the flames during the 2014 Russia-Ukraine conflict, calling for massacring Ukrainians and annexing the Ukrainian lands that were part of the former Russian Empire.

To see what Dugin might advocate specifically, we can look in his bestselling book “The Foundation of Geopolitics” from 1997, which had particular success among Russian military and according to Foreign Policy (and Dugin’s own words), is assigned as a textbook at Russian military universities.

The book outlines a vision for Russia in the 21st century that would lead to Eurasia’s formation, but also includes specific strategies for defeating or neutralizing the United States. These include destabilization and disinformation campaigns using Russian special forces and asymmetrical warfare, splitting alliances between U.S. and countries like Germany and France, as well as fermenting division within the country itself, specifically singling out race relations. On Page 367 of the first edition of the book, Dugin explains:

“It is especially important to introduce geopolitical disorder into internal American activity, encouraging all kinds of separatism and ethnic, social and racial conflicts, actively supporting all dissident movements – extremist, racist, and sectarian groups, thus destabilizing internal political processes in the U.S. It would also make sense simultaneously to support isolationist tendencies in American politics…”

After our hyper-divisive elections, full of calamities described above, facing an increasingly eye-opening investigation into Russian interference in our most cherished democratic institution, it’s hard not to take Dugin’s ideas seriously. With Trump’s victory, Dugin has backed off somewhat from painting the U.S. as enemy number one. It’s also been reported that the relationship between Dugin and Putin might have cooled off recently, with Dugin criticizing Putin for being “too slow” in bringing about his vision of the world. But looking at the facts on the ground it’s possible to conclude that Putin may still be playing a Eurasia-oriented long game that is not going to end only at Wikileaking embarrassing emails. Especially in light of the fact that the United States now finds itself in a vulnerable position, looking for a unifying philosophy and a way forward of its own.

Here’s a paper on Dugin and his book by Hoover Institution’s John B. Dunlop. If you know Russian, you can read the book here.

Cover photo: Alexander Dugin in South Ossetia, before the Russian-Georgian war, August 2008.

 

Tradução livre de Celene Carvalho, sem revisão

O Filósofo Mais Perigoso do Mundo

As revelações sobre o envolvimento russo na pirataria de oficiais do Partido Democrata, com a intenção de abrigar Trump sobre Clinton, acrescentaram mais combustível a um já explosivo e exaustivo ciclo eleitoral. Por que a Rússia faria isso, especialmente porque foi revelado que o presidente russo Vladimir Putin estava provavelmente dirigindo pessoalmente a operação? Entre Alexander Dugin, o cientista político conhecido como “Rasputin de Putin” ou “Cérebro de Putin”, bem como um fascista ocultista. Ele também é professor de sociologia na prestigiada Universidade Estadual de Moscou, escritor prolífico, consultor de figuras políticas e militares importantes e articulador de uma filosofia nacionalista aprovada pelo Kremlin.

Ele também esteve na lista de sanções dos EUA após a aquisição da Crimeia Pela Russia, por defender o assassinato de ucranianos, entre outras coisas.

Não é que Dugin seja pessoalmente responsável pelos hacks que estão sendo explicados como vingança pessoal de Putin contra Clinton. Mas a filosofia influente Dugin alinha muito bem com o que parece ter acontecido e fornece uma janela impressionante para este e futuros conflitos com a Rússia. Há provavelmente motivos muito mais profundos por trás das ações russas.

Alexander Dugin é ao mesmo tempo um sociólogo, um historiador e um filósofo. Você pode encontrar muitas de suas palestras on-line no Youtube, embora isso ajudaria a conhecer o russo. Ele mesmo fala dez línguas. Entre suas muitas opiniões controversas, ele expressou profundamente opiniões anti-científicas, chamando para a proibição da química e da física. Ele também quer se livrar da Internet, uma visão anti-tecnológica que realmente decorre de seu desejo de, finalmente, virar o mundo como o conhecemos.

O que ele propõe é que houve três principais teorias políticas que impactaram o mundo no passado relativamente recente – o capitalismo liberal ou “liberalismo”, o comunismo e o fascismo. De acordo com Dugin, os Estados Unidos são o líder mundial do liberalismo, que oferece liberdade individual, uma abordagem racionalista e concorrência no mercado.

Embora o liberalismo tenha sido a ideologia vencedora até agora, triunfando sobre o fascismo em 1945 e o comunismo em 1991 (quando a União Soviética se dissolveu), Dugin acha que agora também está passando por uma crise fatal. Ele acredita que os próprios liberais seriam os primeiros a reivindicar isso. Dugin considera o liberalismo chegando a um beco sem saída, atolado atualmente em um “estágio pós-moderno niilista”, porque está tentando se libertar do pensamento racional e da opressão do cérebro, que para um liberal é “algo fascista em si”. Dugin dá um passo adiante, descrevendo o liberalismo como agora tentando liberar os órgãos do corpo do controle do cérebro, aludindo à sua aceitação da comunidade LGBT.

Veja como ele explica este raciocínio:

“O liberalismo insiste na liberdade e libertação de qualquer forma de identidade coletiva. Essa é a própria essência do liberalismo. Os liberais libertaram o ser humano da identidade nacional, identidade religiosa e assim por diante. O último tipo de identidade coletiva é o gênero. Portanto, há tempo para abolir, tornando-o arbitrário e opcional”.

O que Dugin propõe ao invés do que vê como três ideologias mortas e moribundas é sua “Quarta Teoria Política”. Criaria um modelo político inteiramente alternativo, contra o “progresso” da história mundial tal como está. Não se basearia nas questões do individualismo, da raça ou do nacionalismo. Ele vê essa teoria parcialmente baseada no trabalho do filósofo existencial alemão Martin Heidegger, controverso por sua associação com o nazismo. Sua filosofia exige uma raiz da autoconsciência de um ser humano (chamada de dasein por Heidegger) para ser salva no mundo, como ela foi diluída no espaço moderno pela tecnologia essencialmente desumanizante.

Uma vez que esta raiz do ser difere de pessoa para pessoa e de cultura para cultura, o mundo deve apresentar uma divisão de poder multipolar, em vez de uma superpotência nos Estados Unidos. Encontrar uma maneira de implementar uma nova maneira de olhar para o mundo seria, por Dugin, retornar um senso de identidade para os seres humanos que foram perdendo tudo em todo o mundo.

Dugin contrasta esta teoria de um mundo multipolar com o que ele (e os teóricos da conspiração em todo o mundo) vêem como o movimento para a criação de um “governo mundial”, liderado por elitistas globalistas elogiosas que estão a privar as pessoas de um sentimento de identidade e a subjugar necessidades corporativas.

Neste mundo de um certo número de superpotências regionais, qual seria o papel da Rússia? Dugin vê a Rússia como a nação líder na União Eurasiana e fundou o Movimento Internacional da Eurásia para fazer isso acontecer.

O que é a Eurásia? Basicamente, é o território da antiga União Soviética. Dugin pensa que a União Soviética apenas assumiu os limites de uma união histórica de pessoas e etnias que estava lá do Império Russo. Como a Rússia é um país de uma cultura única e destino, é sua missão de criar um centro de poder que tem elementos da Europa e Ásia, os dois continentes montado pelo país expansivo.

“O Ocidente sabe pouco ou nada sobre a história real da Rússia. Em algum momento eles pensam que a União Soviética era puramente uma criação comunista e os Estados como a Ucrânia, o Cazaquistão ou o Azerbaijão eram independentes antes da URSS e conquistados pelos bolcheviques ou forçados ao Estado soviético”, diz Dugin. “O fato é que eles nunca existiram como tal e representado, mas os distritos administrativos, sem qualquer significado político ou histórico no interior do Império Russo, bem como dentro da URSS. Estes países foram criados artificialmente nas suas fronteiras atuais apenas após o colapso da URSS e como resultado de tal colapso”.

Assim, o objetivo de estabelecer a União Euro-asiática seria essencialmente corrigir um erro histórico e trazer de volta um império de sucesso que existia mesmo antes da União Soviética. A recente aquisição da Rússia da Criméia e outros projetos na Ucrânia parecem ser uma parte lógica de tal plano.

Dugin aprofunda ainda mais sua polêmica análise histórica, afirmando que o oponente atual da Eurasia não é apenas os Estados Unidos, mas o atlantismo, o eixo de cooperação entre a Europa, EUA e Canadá que atravessa o Oceano Atlântico. Essas nações marítimas e liberais valorizam a individualidade e as forças do mercado.

Eurasia, por outro lado, representa a filosofia conservadora do continentalismo sem litoral, que de acordo com os eurasianos, tem entre seus valores uma estrutura hierárquica, lei e ordem, tradicionalismo e religião.

Assim temos Atlantis vs Eurasia. Na verdade, Dugin afirma que toda a história pode ser vista como uma batalha entre as nações marítimas e terrestres.

O que Dugin pensa sobre a vitória de Trump? Ele tem sido muito entusiasmado com Trump durante todo o processo eleitoral, para dizer o mínimo, descrevendo-o desta forma para apontar por que Trump é uma “sensação” que pode resistir às elites globalistas:

“[Donald Trump] é duro, áspero, diz o que ele pensa, rude, emocional e, aparentemente, sincero. O fato de que ele é um bilionário não importa. Ele é diferente. É um americano comum extremamente bem sucedido … “

Dugin acha que a vitória de Trump é um golpe monumental contra os “globalistas”, cujo candidato era Hillary Clinton – a mesma linguagem que você pode encontrar facilmente sites americanos conservadores como Breitbart News, Drudge Report e conspiração rei Alex Jones (um favorito particular de Dugin) . Ele acha que a vitória de Trump foi uma espécie de “revolução” iniciada pelo povo americano e deve levar a derrotas mundiais da agenda globalista, drenando o proverbial “pântano” do mundo.

Dugin não para por aí, no entanto. Suas visões do que a vitória de Trump significa entrar no apocalíptico e em mudança de civilização:

“Precisamos retornar ao Ser, ao Logos, à Ontologia Fundamental (de Heidegger), ao Sagrado, à Nova Idade Média – e assim ao Império, à religião e às instituições da sociedade tradicional (hierarquia, Culto, dominação do espírito sobre a matéria e assim por diante). Todo conteúdo da Modernidade – é satanismo e degeneração. Nada vale a pena, tudo é para ser limpo. A Modernidade é absolutamente errada – ciência, valores, filosofia, arte, sociedade, modos, padrões, “verdades”, compreensão do Ser, do tempo e do espaço. Tudo está morto com a Modernidade. Portanto, deve terminar. Vamos acabar com isso”.

Isso certamente não seria a primeira vez na história recente um pensamento russo que tudo está errado e o mundo precisa ser completamente desarraigado. Sabemos como isso aconteceu. E os elementos ocultos de alguns dos que Dugin está dizendo, junto com sua barba, talvez ganhem a comparação com Rasputin. Mas Dugin acredita que medidas concretas devem ser tomadas para trazer sua visão do mundo?

Curiosamente, antes da vitória de Trump, influentes fontes conservadoras americanas como a National Review estavam advertindo sobre as intenções russas, especificamente destacando a ameaça que a ideologia de Dugin representava, chamando o eurasianismo de “culto satânico”. Agora que Trump ganhou e a Rússia foi implicada na intromissão da eleição, não estão tão interessadas em trazer isso à tona.

Será que Putin realmente ouve Dugin? Estudiosos e comentaristas dizem que suas ideias são levadas a sério por pessoas no círculo de Putin e sua crescente popularidade combina com o autoritarismo e ações em evolução de Putin. Em particular, Dugin saiu em 2008 para apoiar as tropas russas que assumiram a Geórgia e aproveitou as chamas durante o conflito Rússia-Ucrânia de 2014, pedindo o massacre dos ucranianos e anexar as terras ucranianas que faziam parte do antigo Império Russo.

Para ver o que Dugin pode defender especificamente, podemos olhar em seu livro best-seller “A Fundação da Geopolítica” de 1997, que teve sucesso particular entre as forças militares russas e de acordo com a Política Externa (e as próprias palavras de Dugin), é utilizado como um livro didático nas Universidades Militares russas.

O livro descreve uma visão para a Rússia no século 21 que levaria à formação da Eurásia, mas também inclui estratégias específicas para derrotar ou neutralizar os Estados Unidos. Estas incluem campanhas de desestabilização e desinformação usando forças especiais russas e guerra assimétrica, dividindo alianças entre os EUA e países como Alemanha e França, bem como fomentando divisão dentro do próprio país, especificamente destacando as relações raciais. Na página 367 da primeira edição do livro, Dugin explica:

“É especialmente importante introduzir a desordem geopolítica na atividade interna americana, incentivando todos os tipos de separatismo e conflitos étnicos, sociais e raciais, apoiando ativamente todos os movimentos dissidentes – grupos extremistas, racistas e sectários, desestabilizando os processos políticos internos nos Estados Unidos. Também fazem sentido simultaneamente para apoiar tendências isolacionistas na política americana … “

Depois de nossas eleições hiper-divisivas, cheias de calamidades descritas acima, diante de uma investigação cada vez mais reveladora sobre a interferência russa em nossa instituição democrática mais acarinhada, é difícil não levar as ideias de Dugin a sério. Com a vitória de Trump, Dugin recuou um pouco de pintar os EUA como inimigo número um. Também foi relatado que a relação entre Dugin e Putin poderia ter esfriado recentemente, com Dugin criticando Putin por ser “muito lento” em trazer sua visão do mundo. Mas, olhando para os fatos no terreno, é possível concluir que Putin ainda pode estar jogando um jogo longo orientado para a Eurasia que não vai acabar apenas em Wikileaking e-mails embaraçosos. Especialmente à luz do fato de que os Estados Unidos agora se encontram em uma posição vulnerável, procurando uma filosofia unificadora e um caminho adiante.

Aqui está um artigo sobre Dugin e seu livro de John B. Dunlop da Hoover Institution. Se você sabe russo, você pode ler o livro aqui.

Foto da capa: Alexander Dugin na Ossétia do Sul, antes da guerra russo-georgiana, agosto de 2008.

.

Outra tradução, de Paula Marcondes, sem revisão

O Filósofo Mais Perigoso do Mundo

Por PAUL RATNER, BigThink, 18 de dezembro de 2016

As revelações sobre o envolvimento russo em hacking de contas de email de funcionários do Partido Democrata, com a intenção de fazer Trump ganhar da Clinton, acrescentaram mais combustível a um já explosivo e exaustivo ciclo eleitoral. Por que a Rússia faria isso, especialmente porque foi revelado que o presidente russo Vladimir Putin estava provavelmente dirigindo pessoalmente a operação? Entra Alexander Dugin, o cientista político conhecido como “Rasputin de Putin” ou “Cérebro de Putin”, bem como um fascista ocultista. Ele também é professor de sociologia na prestigiada Universidade Estadual de Moscou, escritor prolífico, assessor de figuras políticas e militares importantes e articulador de uma filosofia nacionalista aprovada pelo Kremlin.

Ele também esteve na lista de sanções dos EUA após a invasao da Criméia pela Russia por defender o assassinato de ucranianos, entre outras coisas.

Não é que Dugin seja pessoalmente responsável pelos hacks que estão sendo explicados como vingança pessoal de Putin contra Clinton. Mas a filosofia influente Dugin se alinha muito bem com o que parece ter acontecido e fornece uma janela impressionante para este e futuros conflitos com a Rússia. Há provavelmente motivos muito mais profundos por trás das ações russas.

Alexander Dugin é ao mesmo tempo um sociólogo, um historiador e um filósofo. Você pode encontrar muitas de suas palestras on-line no Youtube, embora fosse ajudar muito saber falar Russo. Ele mesmo fala dez línguas. Entre suas muitas opiniões controversas, ele expressou profundas opiniões anti-científicas, chamando para a proibição da química e da física. Ele iria também se livrar da Internet, uma visão anti-tecnológica que realmente decorre do seu desejo de, finalmente, mudra o mundo como o conhecemos.

O que ele propõe é que houve três principais teorias políticas que impactaram o mundo no passado relativamente recente – o capitalismo liberal ou “liberalismo”, o comunismo e o fascismo. De acordo com Dugin, os Estados Unidos são o líder mundial do liberalismo, que oferece liberdade individual, uma abordagem racionalista e concorrência no mercado.

Embora o liberalismo tenha sido a ideologia vencedora até agora, triunfando sobre o fascismo em 1945 e o comunismo em 1991 (quando a União Soviética se dissolveu), Dugin acha que agora também está passando por uma crise fatal. Ele acredita que os próprios liberais seriam os primeiros a dizer isso. Dugin considera o liberalismo chegando a um beco sem saída, atormentado atualmente em um “estágio pós-moderno niilista”, porque está tentando se libertar do pensamento racional e da opressão do cérebro, que para um liberal é “algo fascista em si”. Dugin dá um passo adiante, descrevendo o liberalismo como agora tentando liberar os órgãos do corpo do controle do cérebro, aludindo à sua aceitação da comunidade LGBT.

Veja como ele explica este raciocínio:

“O liberalismo insiste na liberdade e libertação de qualquer forma de identidade coletiva. Essa é a própria essência do liberalismo. Os liberais libertaram o ser humano da identidade nacional, identidade religiosa e assim por diante. O último tipo de identidade coletiva é o gênero. Portanto, há tempo para abolir, tornando-o arbitrário e opcional. “

O que Dugin propõe ao invés do que vê como três ideologias mortas e moribundas é sua “Quarta Teoria Política”. Criaria um modelo político inteiramente alternativo, contra o “progresso” da história mundial tal como está. Não se basearia nas questões do individualismo, da raça ou do nacionalismo. Ele vê essa teoria parcialmente baseada no trabalho do filósofo existencial alemão Martin Heidegger, controverso por sua associação com o nazismo. Sua filosofia exige uma raiz da autoconsciência de um ser humano (chamada de dasein por Heidegger) para ser salva no mundo, como ela foi diluída no espaço moderno pela tecnologia essencialmente desumanizante.

Uma vez que esta raiz do ser difere de pessoa para pessoa e de cultura para cultura, o mundo deve apresentar uma divisão de poder multipolar, em vez de uma superpotência nos Estados Unidos. Encontrar uma maneira de implementar uma nova maneira de olhar para o mundo seria, por Dugin, retornar um senso de identidade para os seres humanos que foram perdendo tudo em todo o mundo.

Dugin contrasta esta teoria de um mundo multipolar com o que ele (e os teóricos da conspiração em todo o mundo) vêem como o movimento para a criação de um “governo mundial”, liderado por elitistas globalistas elogiosas que estão a privar as pessoas de um sentimento de identidade e a subjugar necessidades corporativas.

Neste mundo de um certo número de superpotências regionais, qual seria o papel da Rússia? Dugin vê a Rússia como a nação líder na União Eurasiana e fundou o Movimento Internacional da Eurásia para fazer isso acontecer.

O que é a Eurásia? Basicamente, é o território da antiga União Soviética. Dugin acha que a União Soviética apenas assumiu os limites de uma união histórica de pessoas e etnias que estavam lá desde o Império Russo. Como a Rússia é um país com uma cultura e um destino únicos, é sua missão criar um centro de poder que tenha elementos tanto da Europa como da Ásia, os dois continentes escarranchados pelo país expansivo.

“O Ocidente sabe pouco ou nada sobre a história real da Rússia. Em algum momento eles pensam que a União Soviética era puramente uma criação comunista e os Estados como a Ucrânia, o Cazaquistão ou o Azerbaijão eram independentes antes da URSS e conquistados pelos bolcheviques ou forçados ao Estado soviético “, diz Dugin. “O fato é que eles nunca existiram como tal e representavam nada mais que distritos administrativos, sem qualquer significado político ou histórico no interior do Império Russo, bem como dentro da URSS. Esses países foram criados artificialmente nas suas fronteiras atuais somente após o colapso da URSS e como resultado de tal colapso.”

Portanto, o objetivo de estabelecer a União Euro-asiática seria essencialmente corrigir um erro histórico e trazer de volta um império de sucesso que existia mesmo antes a União Soviética. A recente aquisição pela Rússia da Criméia e outros projetos na Ucrânia parecem ser uma parte lógica de um plano desse tipo.

Dugin escava ainda mais fundo em sua análise histórica muito controversa, alegando que o oponente atual da Eurásia não é apenas os Estados Unidos, mas o atlanticismo, o eixo da cooperação Entre a Europa, EUA e Canadá que atravessa o Oceano Atlântico. Estas nações marítimas e liberais valorizam a individualidade e as forças do mercado.

A Eurásia, por outro lado, representa a filosofia conservadora do continentalismo sem litoral, que de acordo com a Eurásia, tem entre seus valores uma estrutura hierárquica, lei e ordem, tradicionalismo e religião.

Entao temos Atlantis vs Eurasia. Na verdade, Dugin afirma que toda a história pode ser vista como uma batalha entre as nações marítimas e terrestres.

O que Dugin pensa da vitória de Trump? Ele tem sido muito entusiasmado com Trump durante todo o processo eleitoral, para dizer o mínimo, descrevendo-o desta forma para apontar por que Trump é uma “sensação” que pode resistir às elites globalistas:

“[Donald Trump] é duro. Diz o que ele pensa, rude, emocional e, aparentemente, sincero. O fato de que ele é um bilionário não importa. Ele é diferente.”

Dugin pensa que a vitória de Trump é um golpe monumental contra os “globalists”, cujo o candidato era Hillary Clinton – a mesma linguagem que você pode fàcilmente encontrar por websites americanos conservadores – como Breitbart News, Drudge Report e o rei da conspiração Alex Jones (um favorito particular de Dugin). Ele acha que a vitória de Trump foi uma espécie de “revolução” iniciada pelo povo americano e deve levar a derrotas mundiais da agenda globalista, drenando o proverbial “pântano” do mundo.

Dugin não pára por aí, no entanto. Suas visões do que a vitória de Trump significa, entram no apocalíptico e em mudança de civilização:

“Precisamos retornar ao Ser, ao Logos, à Ontologia Fundamental (de Heidegger), ao Sagrado, à Nova Idade Média – e Assim, ao Império, à religião e às instituições da sociedade tradicional (hierarquia, culto, dominação do espírito sobre a matéria e assim por diante). Todo conteúdo da Modernidade – é satanismo e degeneração. Nada vale a pena, tudo é para ser limpo. A Modernidade é absolutamente errada – ciência, valores, filosofia, arte, sociedade, modos, padrões, “verdades”, compreensão do Ser, do tempo e do espaço. Tudo está morto com a Modernidade. Portanto, ela deve terminar. Nós vamos acabar com isso “.

Isso certamente não seria a primeira vez na história recente que existiu um pensamento russo de que tudo está errado e de que o mundo precisa ser completamente desarraigado. Sabemos qual foi o resultado. E os elementos ocultos de parte do que Dugin está dizendo, junto com sua barba, talvez ganhem a comparação com Rasputin. Mas sera que Dugin acredita que medidas concretas devem ser tomadas para fazer esta visao do mundo uma realidade?

Interessantemente, antes da vitória de Trump, os conservadores americanos influentes como a National Review estavam advertindo sobre as intenções russas, especificamente destacando a ameaça que a ideologia de Dugin representava, chamando o Eurasianismo “Um culto satânico”. Agora que Trump ganhou e a Rússia foi implicada na intromissão da eleição, não estão tão interessados ​​em trazer isso a tona.

Putin realmente ouve Dugin? Estudiosos e comentaristas dizem que suas idéias são levadas a sério por pessoas no círculo de Putin e sua crescente popularidade combina com o autoritarismo e ações em evolução de Putin. Em particular, Dugin apoiou abertamente em 2008 as tropas russas que assumiram a Geórgia e aproveitou as chamas durante o conflito Rússia-Ucrânia de 2014, para pedir o massacre ucranianos e anexacao das terras ucranianas que faziam parte do antigo Império Russo.

Para ver o que Dugin poderia defender especificamente, podemos dar uma olhada em seu livro best-seller “A Fundação de Geopolítica” de 1997, que teve sucesso particular entre militares russos e de acordo com a Foreign Policy (e palavras próprias Dugin), é atribuído como um livro de texto em universidades militares russas.

O livro descreve uma visão para a Rússia no século 21 que levaria à formação da Eurásia, mas também inclui estratégias específicas para derrotar ou neutralizar os Estados Unidos. Estas incluem campanhas de desestabilização e desinformação usando forças especiais russas e guerra assimétrica, dividindo alianças entre os EUA e países como Alemanha e França, bem como fermentando divisão dentro do próprio país, especificamente destacando as relações raciais. Na página 367 da primeira edição do livro, Dugin explica:

“É especialmente importante introduzir a desordem geopolítica na atividade interna americana, incentivando todos os tipos de separatismo e conflitos étnicos, sociais e raciais, apoiando ativamente todos os movimentos dissidentes – extremistas, racistas , E grupos sectários, desestabilizando os processos políticos internos nos Estados Unidos. Também faria sentido simultaneamente apoiar tendências isolacionistas na política americana … “

Depois de nossas eleições hiper-divisivas, cheias de calamidades descritas acima, enfrentando uma investigação cada vez mais reveladora sobre a interferência russa em nossa instituição democrática mais acarinhada, é difícil não levar as idéias de Dugin a sério. Com a vitória de Trump, Dugin recuou um pouco de pintar os EUA como inimigo número um. Também foi relatado que a relação entre Dugin e Putin poderia ter esfriado recentemente, com Dugin criticando Putin por ser “muito lento” em trazer sua visão do mundo. Mas, olhando para os fatos no terreno, é possível concluir que Putin ainda pode estar jogando um jogo longo orientado para a Eurasia que não vai acabar apenas em Wikileaking e-mails embaraçosos. Especialmente à luz do fato de que os Estados Unidos agora se encontra em uma posição vulnerável, procurando uma filosofia unificadora e um caminho à frente da sua própria. Aqui está um documento sobre Dugin e seu livro por Hoover Institution John B. Dunlop. Se você souber russo, você pode ler o livro aqui.

Foto de capa: Alexander Dugin na Ossétia do Sul, antes da guerra russo-georgiana, agosto de 2008.

 


Democracy Unschool é um ambiente de livre investigação-aprendizagem sobre democracia, composto por vários itinerários. O primeiro itinerário já está disponível e começa a funcionar no próximo dia 30 de agosto de 2017. Clique no banner abaixo para saber mais.

Deixe uma resposta

Loading…

Deixe seu comentário